quinta-feira, 23 de janeiro de 2014

Últimos livros que li, os que não concluí e os que lerei...

Sempre gostei muito de ler e, quando criança, devorava pilhas e mais pilhas de histórias em quadrinhos. Depois, comecei a ler livros também e cada vez mais a leitura foi se tornando algo essencial para mim. Mas nos últimos anos tinha diminuído bastante meu ritmo, lendo em média uns três livros por ano e algumas revistas mensais, jornais etc. Mas em 2013 pude voltar a ler com maior frequência e mergulhar mais no universo da literatura. Li (alguns reli) ao todo, 18 livros (do começo ao fim). E, iniciei a leitura de outros que, por algum motivo, acabei não concluindo. Geralmente, estou acompanhando uns dois ou três livros (ou revistas) ao mesmo tempo, não me mantendo fiel à uma só leitura. Depende do momento, depende do interesse, depende da simbiose estabelecida com o autor de tal ou qual obra. Então, eis os livros que li no ano passado.

O Retrato de Dorian Gray, de Oscar Wilde- Ao posar para que um amigo artista eternize a sua beleza numa tela, um jovem fica deprimido com a fugacidade humana e deseja ardentemente ficar jovem para sempre. Sequer imagina que alguma força estranha resolve atendê-lo e manter sua face inalterada, enquanto sua alma vai se corrompendo. Os anos não passam para Dorian Gray, mas o retrato no quadro que mantém escondido denuncia algo tenebroso. Foi o melhor livro que li em 2013.


O Oceano no Fim do Caminho, de Neil Gaiman- Um livro que começa meio na marcha lenta e vai evoluindo até prender o leitor com uma história fantástica, que fala sobre os medos e trabalha com a imaginação onírica do autor inglês.

Millôres Dias Virão, de Breno Serafini- O autor mergulha - e leva o leitor- num profundo estudo da genialidade e versatilidade do humorista e escritor Millôr Fernandes, avaliando as crônicas produzidas por ele na revista Istoé.

Feliz Ano Velho, de Marcelo Rubens Paiva- Sobre o período em que o autor ficou internado por causa de um acidente que o deixou paralítico, sua recuperação, a visão de mundo, suas filosofias, desejos etc.


Uma Prova do Céu, de Eben Alexander III- Gostei de conhecer esse livro, onde o autor, um neurocirurgião americano conta sobre sua experiência de quase morte, o que viu, o que aprendeu. Não é um relato espírita, mas espiritualista, por meio de uma ótica científica.


O Homem Bicentenário, de Isaac Azimov- Sobre a evolução de um robô numa época em que eles são como aparelhos domésticos. Um deles, chamado de Andrew, possui algo que o torna diferente: a consciência.

A Culpa é das Estrelas, de John Green- Não ri, nem chorei, nem me emocionei, apenas achei "okay", o livro que conta a história de amor/amizade de dois jovens com câncer. De qualquer maneira, os três personagens centrais (Hazel Grace, Augustos Water e Van Houten) possuem uma boa interação e conquistam o leitor.

Máquinas que pensam, vários autores- Em 1984, o escritor Isaac Azimov produziu uma coletânea com vários escritores de ficção cientítica. Muitos dos contos foram escritos bem antes da década de 1970, mas enxergam um futuro muito próximo do que se desenham para a humanidade. Pudera. O livro traz visionários como Philip K. Dick, Arthur C. Clarke, Michael Shaara e o próprio Azimov, entre outros.


O Anticristo, de Nietzsche- Uma contundente análise sobre a influência do catolicismo na formação/indução/manipulação do pensamento, por meio da fé em relatos bíblicos e desprovidos de cientificidade.

As Vantagens de Ser Invisível, de Stephen Chbosky- O livro é narrado por meio de cartas que são enviados pelo jovem Charlie para alguém. E ele conta sobre a sua vida, suas aflições, suas expectativas e do quão é difícil ser um adolescente descobrindo o mundo e as decepções que levam à vida adulta. Ora doce, ora amarga, é uma história que faz sorrir e também dá um nó na garganta. 


A Ciência da Burrice, de Jayme Piva- Livro que apresenta uma seleção de crônicas publicadas pelo autor, Jayme Piva em seu blog e também no jornal Expresso Ilustrado. Com uma escrita elegante e inteligente, ele envolve o leitor e convida por um passeio por temas diversos, falando sobre política, religião e até sobre os pentelhos da Nanda Costa. 


Ovelhas Negras, de Caio Fernando Abreu- Apresenta a evolução literária do autor, com vários contos que vão de 1962 a 1995. Todos, com um comentário particular de Caio F, que conta os pormenores acerca da criação de cada um dos contos compilados no livro, escritos entre os 13 anos até os 46.


Poesia, de Froilam Oliveira e Erilaine Perez. Livro dividido em duas partes, sendo a primeira "Margens Impossíveis", com poesias de Froilam Oliveira e "Rosa de Nanquim", com escritos de Erilaine Perez.


Causos do Santiago, de Neltair Abreu- O cartunista Santiago recria histórias que marcaram a sua vida, como espectador ou como ouvinte. Trata-se, portanto, de uma autobiografia em quadrinhos, que faz rir, emocionar, refletir. Lindo trabalho.


Os Incríveis Seres de Dois Mundos, de Delci Jardim- Envolve o leitor em uma jornada mística, acompanhando o descobrimento dos personagens acerca das forças do universo e do papel que representamos, cada um de nós, nessa conexão. Ao mesmo tempo que aprofunda (ou mostra as bases, depende do ponto de vista), da filosofia chamada Moitian.


Um cientista na Cozinha, de Hervé This- O livro mostra que a cozinha é o local de grandes experimentos, mostrando o processo químico por trás do sucesso ou fracasso de cada alimento. Como gosto de cozinhar, adorei o livro. Depois dessa leitura, nunca mais vou achar que fritar um ovo é coisa simples...


Jogos Vorazes, de Suzane Collins- Primeiro livro de uma trilogia, que apresenta um futuro distópico, onde uma nação chamada Panem foi criada depois que a América do Norte se acabou por causa de conflitos. Há uma capital que governa 12 distritos de forma autoritária e anualmente promove os Jogos Vorazes, que é um reallity show transmitido para todo o país que conta com dois tributos de cada distrito. São 24 jovens, de 12 a 18 anos, que se enfrentam numa arena, onde a vitória é a própria vida. E apenas um deles pode sair de lá.


Em Chamas, de Suzanne Collins- Segudo capítulo da trilogia Jogos Vorazes. A personagem principal, Katniss, se torna muito mais do que uma celebridade após vencer Os Jogos Vorazes. Ela se transformou num símbolo de resistência, de que é possível enfrentar o poderio da capital e libertar o povo do sistema ditatorial e de miséria imposta. Mas acaba sendo mandada de volta à arena, onde a capital fará de tudo para destruí-la.

Comecei a ler, mas (ainda) não terminei:

77, de Giovani Pasini; Harry Potter, de J.K.Rowling; Tudo É Eventual, de Stephen King; O Inquietante Perfume de Cravos, de Arlete Gudole; A Arte da Guerra, de Sun Tzu; O Exorcista, de William Peter Blatty; Dom Casmurro, de Machado de Assis; Deus, um Delírio, de Richard Dawkins; Jogo Perigoso, de Stephen King; Educação nos Trópicos: Contribuições da Antropofagia Cultural Brasileira, de Valdo Barcelos; O Diário de um Banana, de Jeff Kinney; Fragmentos, de Caio Fernando Abreu.

E (também) está na minha lista para ler neste ano:

Jogos Vorazes: A Esperança, de Suzane Collins; As Crônicas de Gelo e Fogo, de George R.R. Martin; O Chamado do Cuco, de Robert Galbraith; Triângulo das Águas, de Caio Fernando Abreu; Millenium-Os Homens que Não Amavam as Mulheres, de Stieg Larsson; Meus Enigmas Favoritos, de J.J.Benitez; Orgulho e Preconceito, de Jane Austen; 2001: Uma Odisséia no Espaço, de Arthur C. Clarke. Entre outros livros que tiveram interesse em "me ler" neste 2014.


Voltar à página inicial.

Um comentário:

Luckecolorado disse...

Também tenho interesse em ler "A arte da guerra". Recomendo começar o ano com "As Crônicas de Gelo e Fogo"