segunda-feira, 27 de fevereiro de 2012

Feito na moda velha, O Artista leva cinco Oscars

0 comentários

Em plena era do cinema digital, onde a tecnologia impressiona pela perfeição, Hollywood resolveu premiar um ousado filme feito à moda velha: mudo e em preto e branco. O Artista, dirigido pelo francês Michel Hazanavicious, foi o grande vencedor do Oscar, na noite deste domingo. O conterrâneo dos irmãos Lumière levou os prêmios de Melhor Filme, Melhor Direção, Melhor Ator para Jean Dujardin; Melhor Trilha Sonora e Melhor Figurino. Um feito e tanto, já que nem na década de 30, em que o cinema mudo ainda era vigoroso, foi reconhecido pelo Oscar, criado em 27.

Mas a grande festa do cinema também reconheceu o virtuosismo técnico de A Invenção de Hugo Cabret, que levou quatro prêmios: Melhor Fotografia, Direção de Arte, Edição de Som e Efeitos Visuais. Neste último, tivemos um brasileiro, Rodrigo Teixeira, entre os vencedores, já que trabalha como técnico na área de efeitos especiais.

Todos os premiados:

Melhor Filme- O Artista 

Melhor Atriz- Meryl Streep, por A Dama de Ferro (Na verdade, ela geralmente merece um Oscar por cada filme que faz)

Melhor Ator- Jean Dujardin, por O Artista (Bateu George Clonney e todos os outros sem dizer uma palavra em seu filme. Mas expressou muito)

Melhor Atriz Coadjuvante- Octavia Spencer, por Histórias Cruzadas 

Ator Coadjuvante- Christopher Plummer, por Toda Forma de Amor (Pelo envolvente papel de um idoso que fica viúvo e assume a homossexualidade)

Melhor Diretor- Michel Hazanavicius, por O Artista (Primeiro prêmio para um diretor francês)

Melhor Edição- Millenium - Os Homens que não Amavam as Mulheres

Melhor Documentário- Undefeated

Melhor Documentário em Curta-Metragem- Saving Face

Melhor Animação- Rango (Pena que a ousadia de premiar o filme mudo O Artista não se refletiu nesta categoria. Afinal, é covardia comparar uma animação perfeita como Rango ou Gato de Botas, com obras de poucos recursos, mas cheias de criatividade como "Um Gato em Paris)

Melhor Trilha Sonora - O Artista (Num filme mudo, a trilha sonora é que "fala tudo)
 
                                                                                                                                                          
Melhor Canção Original- Man or Muppet, de Os Muppets (Brasil perdeu, com Rio)

Melhor Roteiro Original- Meia-noite em Paris (O roteiro literariamente inteligente de Woody Allen agradou e levou o merecido prêmio)

Melhor Roteiro Adaptado- Os Descendentes (Achei que Alexander Payne não mereceu levar esse prêmio, por um filme de roteiro forçado. O prêmio deveria ter ido para Hugo)

Melhor Som- A Invenção de Hugo Cabret

Melhor Edição de Som- A Invenção de Hugo Cabret

Melhores Efeitos Visuais- A Invenção de Hugo Cabret (filme que teve a participação do técnico em efeitos especiais Rodrigo Teixeira, um gaúcho)

Melhor Curta-Metragem de Animação- The Fantastic Flying Books of Mr. Morris Lessmore

Melhor Curta-Metragem- The Shore

Melhor Filme Estrangeiro- A Separação (Apesar de perseguir cineastas, o Irã levou seu primeiro Oscar)

Melhor Maquiagem- A Dama de Ferro (A transformação de Meryl Streep em Margareth Tatcher impressionou a Academia)

Melhor Figurino- O Artista (A reconstituição de época foi minimalista e teve o reconhecimento)

Melhor Direção de Arte- A Invenção de Hugo Cabret (Um trabalho fantástico, de fato)

Melhor Fotografia- A Invenção de Hugo Cabret (Mereceu, mas se o prêmio tivesse ido para A Árvore da Vida teria sido mais interessante, afinal, o trabalho do diretor Terrence Malick impressiona por apresentar as mais impressionantes imagens do ano).

quarta-feira, 22 de fevereiro de 2012

segunda-feira, 13 de fevereiro de 2012

Adele se consagra no Grammy

0 comentários
No mesmo final de semana em que a música chora a morte de Whitney Houston também comemora a ascensão de uma nova estrela: Adele.
O mundo inteiro está apaixonado por essa garota de 23 anos, que ganha admiradores por uma voz que dispensa o uso de efeitos (como Britney Spears ou Rihanna). Seus shows não contam com cenários fantabulosos, como os de Shakira ou Lady Gaga e também nada de bailarinos e coreografias de encher os olhos, como Beyoncé. E tampouco é chegada aos exageros e escândalos, como sua conterrânea inglesa, a falecida Amy Winehouse.

Nos shows de Adele, só tem Adele. Com roupas discretas e alguns backing vocals, dando o suporte para canções como Rolling In The Deep, consagrada com o Grammy.

Neste domingo, Adele ganhou os principais prêmios do Grammy (o Oscar da música). Levou Melhor Gravação do Ano (Rolling in The Deep); Álbum do Ano (21); Música do Ano (Rolling in the Deep); Perfomance solo (Someone like You);  Álbum pop (21) e vídeo musical do ano (Rolling in the Deep). Cada vez que Adele subia ao palco para receber um prêmio demonstrava uma simpatia incomum no universo das estrelas e, da mesma forma, recebia aplausos entusiasmados. Incontestavelmente, ela é a atual estrela das estrelas.


Todos os prêmios do Grammy 2012.

Gravação do ano (intérpretes): 
Rolling in the deep - Adele

Álbum do ano
21 - Adele

Música do ano (compositores): 
Rolling in the deep - Adele

Performance solo pop
Someone like you - Adele

Performance duo ou grupo
Body and soul - Tony Bennett & Amy Winehouse

Álbum pop
21 - Adele

Performance rock
Walk - Foo Fighters

Performance hard rock/metal
White limo - Foo Fighters

Música de rock
Walk - Foo Fighters

Álbum de rock
Wasting light - Foo Fighters

Disco de música alternativa
Bon Iver - Bon Iver

Melhor performance de rap
Otis - Jay-Z & Kanye West

Melhor parceria/rap
All Of The Lights - Kanye West, Rihanna, Kid Cudi & Fergie

Melhor álbum de rap
My Beautiful Dark Twisted Fantasy - Kanye West

Melhor álbum de R&B
F.A.M.E. - Chris Brown

Melhor álbum country
Own The Night - Lady Antebellum

Melhor performance country (solo)
Mean - Taylor Swift

Melhor vídeo musical - curto
Rolling In The Deep - Adele

Melhor vídeo musical - longo
Foo Fighters: Back And Forth - Foo Fighters

Artista revelação
Bon Iver



quinta-feira, 9 de fevereiro de 2012

Velhos golpes, velhos golpeados...

0 comentários

Já está virando uma rotina em nossa região vermos notícias de pessoas que caíram em algum golpe e perderam dinheiro. Na maioria dos casos, as vítimas são pessoas idosas. Aquelas mesmas que orientam filhos e netos a não conversarem, nem aceitarem nada de estranhos e que, no caixa do supermercado, brigam para receber aquela moedinha de 5 centavos em vez de uma bala. É curioso, portanto, ver que muitas pessoas já foram passadas para trás, perdendo 2 mil, 5 mil, 20 mil reais, como foi o caso mais recente. Como se deixam envolver por absurdas promessas de um prêmio, que será dividido com elas, caso entreguem um tanto ao golpista? É claro, é preciso reconhecer que tais indivíduos fazem uso de técnicas sedutoras, além de parecerem "pessoas de bem", que agem com a melhor das intenções, que aparecentam certa ingenuidade e, possivelmente, tenham boa apresentação. (Aliás, penso que se o diabo existisse, ele se apresentaria sempre muito elegante...)

E desta forma, conquistam a confiança de suas vítimas para dar o golpe fatal, aquele que as deixa com cara de tacho, de trouxas. Seria de ter pena, mas considerando que a natureza do golpe é o despertar da cobiça, a verdade é que a pessoa acaba traída por si mesma, deixando de ouvir a voz da razão. Ainda mais, vendo os tantos exemplos que já temos de pessoas que foram passadas para trás, seja no golpe do bilhete, da mensagem telefônica que oferece uma casa mediante um depósito ou outros, novos ou antigos. Se isso tudo não adianta pra abrir os olhos dos vovôs e vovós, a dica vai para os netos: digam pra eles não conversarem e nem aceitarem nada de estranhos.

quarta-feira, 8 de fevereiro de 2012

Tudo pelo poder: brilhante análise dos bastidores da política

1 comentários
O jogo da política é a temática deste excelente filme, o quarto dirigido por George Clooney. A história enfoca as eleições primárias para a escolha do candidato a presidente dos EUA, pelos Democratas. Clooney vive Mike Morris, governador de Iowa, que é uma espécie de Barack Obama (o da surpreendente campanha política de 2008, não o atual presidente americano).


Mas ele não é o personagem principal, já que a trama centraliza nas ações dos bastidores, em especial, as decisões tomadas pelos assessores do governador e candidato, com a intenção de levá-lo ao sucesso junto aos delegados que vão indicá-lo para disputar a eleição presidencial.

Tudo pelo Poder acompanha o jovem assessor de imprensa da campanha, Stephen (o ator Ryan Gosling), braço direito de Paul, que faz o coordenador da campanha.

Stephen é promissor, criativo, cheio de ideias e ideais. Ele acredita nos discursos liberais do candidato e crê que ele seja a salvação para os americanos. Com a melhor das intenções, ele acaba indo a um encontro com Tom Duffy, coordenador de campanha do candidato adversário. Seu ato desencadeia um problema, que o afasta da campanha de Morris, ao mesmo tempo em que descobre um segredo que pode mudar o rumo da eleição. Aos poucos, o idealismo de Myers entra em conflito direto com o cinismo do universo da política.

Um filme brilhante que trabalha muito bem a questão das estratégias políticas, algo que aprecio e gosto de pesquisar e analisar. Portanto, Tudo pelo Poder entra na minha lista de melhores filmes do gênero. Os outros são:

Segredos do Poder- Com John Travolta e Emma Thompson. É baseado num livro que conta os bastidores da campanha de Bill Clinton para a presidência dos EUA. Travolta vive Jack Stanton, governador de um estado americano, que disputa as eleições primárias para ser candidato à presidência do país. Para mim, o filme é uma aula de estratégia política. E uma das melhores atuações de Travolta que vive um político inteligente e sedutor (com direito a escândalos sexuais, inclusive..)






Frost/NixonConcorreu ao Oscar de Melhor Filme. Trata-se de uma adaptação da uma peça teatral que conta sobre a dramática entrevista do presidente americano Richard Nixon ao apresentador de TV britânico David Frost logo após o escândalo político de Watergate, em 1972. É um filme de diálogos e um duelo de interpretações entre Frank Langella e Michael Sheen.


A grande ilusão- Sean Penn está inspiradíssimo como um político populista e demagogo, que se comporta como se fosse um caipira, pois percebe que desta forma seria ouvido pelo povo, que se identificaria com ele. Inicialmente um idealista, ele vai se deixando seduzir pelo poder o que traz muitas consequências para a sua vida. O filme conta com um elenco impressionante que inclui também Jude Law, Anthony Hopkins e Kate Winslet.





Milk- Outro filme político estrelado pelo incrível Sean Penn. Neste, ele vive Harvey Milk, o primeiro político estadunidense, homossexual assumido, a vencer uma eleição. Milk é dono de uma loja de produtos para fotógrafos e que se torna líder em seu bairro. Aos poucos, percebe que precisa assumir um papel maior em defesa dos ideias que acredita, sempre enfrentando o preconceito e nunca se deixando abater pela fúria dos poderosos. Grande filme.





Entreatos- Documentário que começou a ser filmado 30 dias antes da eleição presidencial de 2002 e que revela passo a passo dos bastidores da campanha de Lula. O documentário mostra conversas de bastidores, reuniões estratégicas, telefonemas, críticas e faz revelações incríveis sobre o atual presidente, que teve a coragem de aceitar expor-se frente às câmeras do diretor João Moreira Salles. Filme fantástico que ajuda a desvendar um pouco deste fenômeno da política brasileira, que é Lula.


Meu querido Presidente- Com Michael Douglas e Annete Bening. Andrew Sheperd (Douglas) é o atual presidente americano, que perdeu a mulher, vítima de câncer, logo após ter sido eleito por uma margem mínima. No decorrer de três anos ele conseguiu uma aprovação de 63% do eleitorado, mas quando entra em uma fase do seu mandato em que tudo é calculado visando a reeleição, se envolve com uma lobista (Annette Bening). A paixão do presidente passa a ser o principal alvo de um senador (Richard Dreyfuss), que é candidato à presidência. Está mais para o romance, mas ainda assim a política ganha espaço no filme, mostrando que nem sempre uma coisa está separada da outra.

terça-feira, 7 de fevereiro de 2012

Trailer do novo Homem-Aranha

0 comentários


Com estreia dia 03 de julho, o novo filme do Homem-Aranha recomeça a saga do herói nos cinemas, com novo elenco, novo diretor e, ao que parece se concentrando mais nos personagens e suas motivações. Ou seja: fiel à criação original de Stan Lee. Confira o trailer legendado de O Espetacular Homem-Aranha, clicando acima.