sábado, 6 de outubro de 2012

Suposições eleitorais:

Os 22 candidatos com mais chance e os 13 possíveis vereadores
Em vermelho, minhas apostas. Em itálico, os que podem surpreender.

Eis que vivenciamos as últimas horas antes de mais uma eleição municipal. Em Santiago, pode-se dizer que a campanha eleitoral foi bastante tranquila, sem os ânimos acirrados que se vê noutros municípios da região. O fato de, nestas horas finais, os candidatos se valerem de uma ou outra estratégia inusitada, é algo comum. Vou me abster de comentar sobre quem ganha para prefeito, pois a lógica da eleição é bastante visível e é bem provável que o vencedor supere os 18 mil votos.

Esta postagem tem por objetivo observar os possíveis eleitos para o cargo de vereador, baseado nas melhores campanhas visualidadas entre os 75 candidatos. Vou por eliminação: de 75 candidatos, acredito que 22 têm mais condições de estar entre os 13. Esses 22, a meu ver, são os que tiveram as melhores campanhas ou uma aceitação maior do eleitorado, com base no que se ouve, se comenta e se visualiza em minha cidade.

Acreditando que teremos uma eleição com, em torno de, 29 mil votos válidos, considera-se que o quociente eleitoral seja de 2.200 a 2.300 votos, para que cada coligação coloque um representante na Câmara. Simples assim.

Dito isso, acredito que a nova formação da Câmara de Vereadores terá sete cadeiras para o PP, duas ou três para a coligação PT-PDT-PPL e três ou quatro para a coligação PMDB-PTB-PSDB. Assim, sendo vou ponderar sobre essas possíveis bancadas:

PP/DEM- Contando com 26 candidatos à vereança, se a coligação PP/DEM fizer mais de 16 mil votos (na proporcional)  garantirá sete vagas na Câmara, levando em conta um universo de, mais ou menos, 29 mil votos válidos. E, sendo assim, creio que os sete possíveis seriam: Cláudio Cardoso, Marcelo Piru Gorski, Binho Gomes, Davi Vernier, Éden de Paula, Pelé e Gildo, seriam os sete eleitos (a meu ver). No entanto, não me surpreenderia se a sétima vaga fosse de Décio Loureiro, Tadeu Machado ou Giane Polga.

Ainda a respeito do PP: está bem evidente que Cláudio Cardoso fará uma grande votação, possivelmente o grande puxador de votos. Mas me surpreende o crescimento da campanha do Marcelo Piru Gorski, que tornou-se o grande fenômeno da campanha, conquistando uma adesão natural interessante e ascendente. Não o conheço, mas logo na primeira semana de campanha, percebi que ele ia conquistando um apoio espontâneo incrível.


PT-PDT-PPL- Na última eleição municipal, o PT fez quase 3 mil votos e o PDT uns 2 mil e tantos. Desta feita, unido ao PPL de Bianchini, é de prever que a coligação conquiste aí os seus 6 mil e tantos votos, conseguindo conquistar três vagas para a vereança. Nesse caso, eu apostaria em Miguel Bianchini (PPL), Everaldo Gavioli (PDT) e Nelson Abreu (PDT). 

A meu ver, a candidatura do Bianchini foi muito bem conduzida e teve um bom marketing na reta final. O Gavioli teve um crescimento no início da campanha, talvez até beneficiado com a possibilidade inicial dele concorrer a prefeito, depois estagnou, mas já consolidada. Nelson Abreu é sempre Nelson Abreu, vencedor de seis eleições consecutivas. 

Outros que têm chance: Juarez Girelli (que tem a melhor campanha dentro do PT, feita na base da sola de sapato e humildade) e Sérgio Marion, ainda que a sua campanha tenha decrescido em relação ao último pleito. Por sua vez, Iara Castiel pode surpreender.

PMDB-PTB-PSDB- Acredito que essa coligação pode ter três ou quatro vereadores. Se forem quatro, apostaria nesses: Sandro Palma (PTB), Arlindo Alves (PMDB), Nice Viero (PMDB) e Macir Ribeiro (PMDB). Se forem três, eu retiraria o Macir. Outros que devem ter boa votação: Algeu Disconzi e Itacir Flores. No entanto, em comparação com a eleição anterior, me parece que a candidatura de Algeu não cresceu desta feita. Já a de Itacir, que apresentou a melhor das estruturas de campanha entre os candidatos a vereador, não se popularizou.

Reitero: tudo isso que escrevi são as minhas suposições, baseado na repercussão de cada campanha que observei ao longo do período eleitoral. 

Nenhum comentário: