quarta-feira, 8 de fevereiro de 2012

Tudo pelo poder: brilhante análise dos bastidores da política

O jogo da política é a temática deste excelente filme, o quarto dirigido por George Clooney. A história enfoca as eleições primárias para a escolha do candidato a presidente dos EUA, pelos Democratas. Clooney vive Mike Morris, governador de Iowa, que é uma espécie de Barack Obama (o da surpreendente campanha política de 2008, não o atual presidente americano).


Mas ele não é o personagem principal, já que a trama centraliza nas ações dos bastidores, em especial, as decisões tomadas pelos assessores do governador e candidato, com a intenção de levá-lo ao sucesso junto aos delegados que vão indicá-lo para disputar a eleição presidencial.

Tudo pelo Poder acompanha o jovem assessor de imprensa da campanha, Stephen (o ator Ryan Gosling), braço direito de Paul, que faz o coordenador da campanha.

Stephen é promissor, criativo, cheio de ideias e ideais. Ele acredita nos discursos liberais do candidato e crê que ele seja a salvação para os americanos. Com a melhor das intenções, ele acaba indo a um encontro com Tom Duffy, coordenador de campanha do candidato adversário. Seu ato desencadeia um problema, que o afasta da campanha de Morris, ao mesmo tempo em que descobre um segredo que pode mudar o rumo da eleição. Aos poucos, o idealismo de Myers entra em conflito direto com o cinismo do universo da política.

Um filme brilhante que trabalha muito bem a questão das estratégias políticas, algo que aprecio e gosto de pesquisar e analisar. Portanto, Tudo pelo Poder entra na minha lista de melhores filmes do gênero. Os outros são:

Segredos do Poder- Com John Travolta e Emma Thompson. É baseado num livro que conta os bastidores da campanha de Bill Clinton para a presidência dos EUA. Travolta vive Jack Stanton, governador de um estado americano, que disputa as eleições primárias para ser candidato à presidência do país. Para mim, o filme é uma aula de estratégia política. E uma das melhores atuações de Travolta que vive um político inteligente e sedutor (com direito a escândalos sexuais, inclusive..)






Frost/NixonConcorreu ao Oscar de Melhor Filme. Trata-se de uma adaptação da uma peça teatral que conta sobre a dramática entrevista do presidente americano Richard Nixon ao apresentador de TV britânico David Frost logo após o escândalo político de Watergate, em 1972. É um filme de diálogos e um duelo de interpretações entre Frank Langella e Michael Sheen.


A grande ilusão- Sean Penn está inspiradíssimo como um político populista e demagogo, que se comporta como se fosse um caipira, pois percebe que desta forma seria ouvido pelo povo, que se identificaria com ele. Inicialmente um idealista, ele vai se deixando seduzir pelo poder o que traz muitas consequências para a sua vida. O filme conta com um elenco impressionante que inclui também Jude Law, Anthony Hopkins e Kate Winslet.





Milk- Outro filme político estrelado pelo incrível Sean Penn. Neste, ele vive Harvey Milk, o primeiro político estadunidense, homossexual assumido, a vencer uma eleição. Milk é dono de uma loja de produtos para fotógrafos e que se torna líder em seu bairro. Aos poucos, percebe que precisa assumir um papel maior em defesa dos ideias que acredita, sempre enfrentando o preconceito e nunca se deixando abater pela fúria dos poderosos. Grande filme.





Entreatos- Documentário que começou a ser filmado 30 dias antes da eleição presidencial de 2002 e que revela passo a passo dos bastidores da campanha de Lula. O documentário mostra conversas de bastidores, reuniões estratégicas, telefonemas, críticas e faz revelações incríveis sobre o atual presidente, que teve a coragem de aceitar expor-se frente às câmeras do diretor João Moreira Salles. Filme fantástico que ajuda a desvendar um pouco deste fenômeno da política brasileira, que é Lula.


Meu querido Presidente- Com Michael Douglas e Annete Bening. Andrew Sheperd (Douglas) é o atual presidente americano, que perdeu a mulher, vítima de câncer, logo após ter sido eleito por uma margem mínima. No decorrer de três anos ele conseguiu uma aprovação de 63% do eleitorado, mas quando entra em uma fase do seu mandato em que tudo é calculado visando a reeleição, se envolve com uma lobista (Annette Bening). A paixão do presidente passa a ser o principal alvo de um senador (Richard Dreyfuss), que é candidato à presidência. Está mais para o romance, mas ainda assim a política ganha espaço no filme, mostrando que nem sempre uma coisa está separada da outra.

Um comentário:

IARA PEIXOTO disse...

Interessantes comentários sobre os filmes. Inclusive, nãi sei se notaram que a foto ilustrativa de Tudo pelo Poder é uma montagem com a metade do rosto de George Clooney (capa de revista) e a metade de uma foto do ator Ryan Gosling, o novp queridinho do cinema.Esta montagem gerou um ti-ti-ti sobre o fato de que Gosling seria o novo Clooney. O jovem ator canadense (26 anos) concorreu ao Globo de Ouro como melhor ator em drama(Tudo pelo Poder) e comédia(Amor a toda Prova). O namorado de Eva Mendes atingiu o posto de galã em 2004, com o filme Diário de uma Paixão e tem tido sua agenda lotada nos últimos anos. Aparecerá em breve (dia 24) nas telas com o filme Drive. Bonito ele é, e parece que também é bom ator , pelo barulho que vem fazendo!