terça-feira, 15 de março de 2011

Os últimos 7 bons filmes que vi

Além da Vida- Dois motivos me levaram a assistir Além da Vida (Hereafter). Um: é o novo filme do Clint Eastwood, veterano ator e diretor que, no auge de seus 80 anos, se torna cada vez mais sensível como cineasta. Sua versatilidade apresenta desta vez uma história sobre vida após a morte, porém, não espere aqui aquelas lições de moral como vistas no chatíssimo "Nosso Lar". Tudo é muito sutil e o roteiro evita de sentenciar uma verdade absoluta sobre as experiências pós-morte experimentadas por alguns personagens. O outro motivo para ter visto esse filme? A impactante cena inicial que mostra um devastador tsunami na Ásia. Foi por esse o motivo, inclusive, do filme ter sido tirado de cartaz no Japão. Nota 8..



O Vencedor- Sabe quando dá vontade de aplaudir um filme depois que ele termina? Foi essa a sensação que tive quando as letrinhas começaram a subir. O Vencedor conta a história de um jovem boxeador que desperdiça o seu talento em lutas injustas. Quem o empresaria é a sua mãe, mais preocupada com o dinheiro e o status. E quem lhe treina é o seu irmão, ex-boxeador, atualmente um viciado em crack. E quem lhe incentiva a tomar outro rumo na vida é a sua namorada, uma garçonete desbocada que não tem medo de enfrentar a família do namorado, incluindo suas sete horrendas irmãs. Mark Walberg é o jovem boxeador, Amy Adams é sua namorada, Melissa Leo (vencedora do Oscar de Atriz Coadjuvante), a mãe e Cristian Bale o irmão viciado.
Aliás, Bale dá uma dimensão incrível ao seu personagem, um enrolão, inconsequente e fodido, mas que ama sua família incondicionalmente. Sua dedicação ao papel, que inclui uma magreza mórbida e olheiras profundas, é hipnotizante. Baita filme! Nota 10.

Inverno da Alma- Que Natalie Portman merecia o Oscar de Melhor Atriz neste ano, era quase um consenso. Isso porque existia uma Jenifer Lawrence no caminho. Em Inverno da Alma, a jovem atriz fez um trabalho incrível como uma adolescente que vive numa região montanhosa dos EUA, que precisa encontrar o pai (ou o corpo dele) para não perder a casa onde vive com sua mãe doente e dois irmãos pequenos. A frieza do lugar reflete também a falta de emoções das pessoas do povoado onde vive, quase todas trabalhando para o tráfico de drogas e, por isso mesmo, não sentem remorso em matar alguém que pergunta demais e pode se tornar um problema. Excelente filme. Nota 9.



O Discurso do Rei- É o campeão do Oscar de Melhor Filme deste ano. Conta a história do rei George VI, que era atormentado por uma gagueira inapropriada para o líder de uma nação e que precisava passar confiança ao seu povo, durante a II Guerra Mundial. Para enfrentar seu problema pessoal, ele conta com o trabalho de um fonaudiólogo pouco convencional, que o ajuda. Excelentes atuações de Colin Firth (Oscar de Melhor Ator) e de Geofrey Rush. Bom filme. Nota 8,5.





Minhas Mães e Meu Pai- O filme conta a história de dois irmãos que decidem encontrar o homem que doou o sêmen que os gerou, pois ambos são filhos de um casal de lésbicas, interpretadas por Juliane Moore e Annete Benning. É uma comedia leve e despretenciosa que erra em vários momentos por forçar algumas situações bobas. No entanto, o que mantém o interesse é o talento de seus atores, em especial Mark Ruffalo, que surge com um personagem muito carismático. Nota 7,5.





Bruna Surfistinha- Pois é: assisti e gostei da suposta história de vida da famosa prostituta e blogueira, aqui interpretada por Deborah Secco. Depois de fazer 18 anos, Raquel Pacheco foge da casa da família que a adotou para trabalhar como garota de programa. Aos poucos, a ex-moça de família vai descobrindo que pode ganhar muito dinheiro, especialmente ao fazer uso da internet. Deborah faz um trabalho irregular na primeira parte do filme, mas cresce e mostra talento, se mostrando à vontade nas cenas de nudez. Bom filme. Nota 7.






Cisne Negro- O filme custou U$ 13 milhões e já rendeu mais de U$ 250 milhões nos cinemas mundiais, graças ao talento de Natalie Portman. Ela interpreta uma bailarina obcecada com a perfeição, que ganha o papel principal como a Rainha dos Cisnes. Ao passo que vive de forma natural o lado "branco", ela precisa aflorar o lado "negro" de sua personagem e isso vai perturbando-a psicológicamente. Cena para entrar pra história: a cena de beijo (e o que vem em seguida) entre Natalie e Mila Kunis. Excelente filme. Nota 9.

Nenhum comentário: