sexta-feira, 25 de fevereiro de 2011

Tiririca na Comissão de Educação e Cultura da Câmara

Foto André Coelho/O Globo

Ao longo de sua carreira, o palhaço Tiririca ("vulgo" Francisco Everardo Oliveira Silva) tem se especializado em dar a volta por cima. E agora, na Câmara Federal, se inventasse de proferir a famosa frase de Zagallo - Vocês vão ter que me engolir- estaria coberto de razão.

Quando estourou na mídia como cantor na década de 90, com sua irritante Florentina, tomou lugar de artistas consagrados e conheceu o sabor da fama. Mas tão rápido quanto veio a fama, ela também se foi, poucos anos depois, sendo jogado ao limbo do esquecimento. Na TV não mais lhe chamavam porque o público não estava mais interessado em saber dele. Nas gravadoras, não havia interesse nenhum por suas canções. E nos shows, um pingo de gente. Virou uma atração curiosa a participar de feiras e quermesses pelo interior, viajando muito para ganhar pouco.

Mas no ano passado, tornou-se o deputado federal mais votado do Brasil, amealhando mais de 1 milhão de votos em São Paulo. O segredo de seu sucesso? Tiririca assume sua ignorância. Ele não apenas não sabe, como diz que nada sabe. E a gente sabe que ele não sabe.

E sua burrice reflete a de quem votou nele, numa interpretação do exercício do espelho (ver no outro o seu defeito refletido). Talvez por isso, exista um sentimento de compreensão e resignação para com Tiririca. Ele se atrapalha com a política tal qual um palhaço tropeça nas próprias pernas para cair de cara numa torta. Tiririca ri de si e a gente ri dele. E ele ri da gente que ri dele.

A Justiça eleitoral sabia bem de suas limitações quando concedeu a ele o prazo de um mês e pouco para comparecer no Tribunal Regional Eleitoral para provar que não era analfabeto. O teste era ler o título e o subtítulo de um jornal e escrever uma frase.

Pois bem. Tirica venceu mais uma e, desta feita, para revoltar seus inúmeros detratores tornou-se membro da Comissão de Educação e Cultura na Câmara Federal.

Ele pode até ser um "abestado", como costuma dizer. Mas é um abestado que, agora, todos os intelectuais do país vão ter que engolir...

2 comentários:

Anônimo disse...

A notícia que está em pauta no tocante ao fato do Tiririca integrar a Comissão de Educação na Câmara Federal é a manifestação nua, clara, nítida, objetiva, explícita do quanto às políticas de educação no Brasil são reduzidas e condicionadas ao pó da ridicularizarão no que tange o cenário educacional. Mas como diz uma antiga amiga pedagoga: “Somos escravos de um sistema político perverso que nós mesmos ajudamos a erguer." Assim, quanto a mim, só me cabe lamentar e sentir o alívio de não ter contribuído para tão palhaçada. Vamos assistir quais serão os gracejos que se levantarão ao longo desse " interessante" acontecido.
Prof. Esp. Rodrigo Dalosto Smolareck

SOS LÍNGUA PORTUGUESA disse...

Concordo com o que os amigos Márcio e Rodrigo (acima) disseram. Mas quem sabe não se acende uma luz na cabeça de uma pessoa que foi marginalizada pelo sistema e sofreu a dor dos rejeitados pela sociedade e ela dá alguma contribuição mais útil do que a dos luminares que lá estão? A esperança nunca deve morrer!