quarta-feira, 5 de janeiro de 2011

Filhos mal educados e pais incompetentes...


Estava ouvindo pela Rádio Santiago a divulgação das ocorrências policiais. Uma delas me chamou a atenção: uma moça havia denunciado que tinha como companheiro um rapaz menor de idade, com quem morava junto há algum tempo. Ela se queixou na Delegacia de que noite dessas teve uma discussão muito forte com o dito rapaz, que se mostrou bastante agressivo. Certamente sua decisão em denunciar o caso não foi tomada no impulso, já que as mulheres são dotadas de extrema paciência para com seus companheiros. Acredito, então, que ela já vivesse no "fio da navalha" e a discussão fora como a última gota d'água que lhe faltava para transbordar a coragem de fazer alguma coisa.

Ela denunciou o ex-amado (?) e ainda foi conversar com os pais dele para pedir ajuda. A resposta: que não tinham uma boa relação com o filho e que, afinal, ele não morava com eles, isentando-se de qualquer responsabilidade. Desta forma, deram de ombros para a situação da pobre garota. Ou seja: te vira, guria!

Não sei qual a índole do rapaz em questão e, portanto, não me focarei em sua atitude. Mas, sim, na postura nos pais e em sua postura de "lavamos nossas mãos". Que os pais criam os filhos para o mundo, essa é uma verdade desde que o mundo é mundo. E certamente pela negligência de progenitores desse tipo é que o mundo ficou imundo. Quando vejo uma criança mal-educada, penso que ela teve pais incompetentes. Que não souberam dizer não, que não souberam impôr limites, que não souberem ter controle, que não souberem contruir um ser-humano. E essa característica, veja só, não depende de condição financeira. Quantos filhos de pais pobres que se criam verdadeiras pérolas. E quantos filhinhos de papai terrivelmente indisciplinados. E vice-versa.

Lavar as mãos não isenta a responsabilidade constante no DNA, afinal, os pais entregam seus filhos para o mundo. Eles estão prontos? Sabem pedir "com licença", "desculpe", "obrigado", "você está certo", "eu estou errado", "parabéns" etc? Aprenderam a preservar a natureza? A não maltratar os animais? A respeitar a cultura, o pensamento e as opções de cada um?

Há pais que pensam que esse tipo de educação (que representa um universo de coisas mais) é dever de ser passado pelos professores. Engano: é dever de pai. E é lamentável que muitos que assumem essa condição se vêem incapazes de desempenhá-la (e o erro vai sendo passado adiante...)

Que o mundo precisa mudar, todos sabemos. Que o respeito à vida, às pessoas, ao patrimônio, à família e tantas coisas mais precisa ser reconquistado todos estamos convictos. Eis que a única forma que eu vejo de fazer isso é através da educação. E cada filho mal-educado é uma oportunidade perdida de mudar o mundo...

3 comentários:

Camile. disse...

Ótimo. É realmente verginhosa a postura desses pais diante da situação. Sou muito favorável à idéia de que, se vc não é capaz de criar uma criança, não engravide.

O que o mundo precisa hoje é de educação.

Simone Simon Paz disse...

Parabéns, Márcio! Concordo contigo.

Johhny disse...

É o Estado papai/mamãe o culpado! Enquanto o Brasil for governado pelos caudilhos que veem o país como obra sua e de mais ninguém não será pela educação que a solução será encontrada.