quinta-feira, 23 de setembro de 2010

And Oscar goes to... Lula, the man?


Hã? Como é que é? O filme Lula, o Filho do Brasil vai ser o representante brasileiro para concorrer a uma indicação ao Oscar de Filme Estrangeiro? Péra, lá... quer dizer que o júri formado por Cássio Henrique Starling Carlos, Clélia Bessa, Elisa Tolomelli, Frederico Hermann Barbosa Maia, Jean Claude Bernardet, Leon Kakoff, Márcia Lellis de Souza Amaral e Mariza Leão Salles de Rezende escolheram essa novelinha global disfarçada de filme dirigida pelo péssimo Fábio Barreto? Eles viram o mesmo filme que eu vi?

Quer dizer que, mais uma vez, um filme dirigido por alguém da família Barreto, mesmo sendo ruim, é que vai ser o representante brasileiro na disputa pelo Oscar? Mas o que aconteceu com aquela enquete criada pelo Ministério da Cultura que abria a participação popular para escolher um dos 23 filmes, onde Nosso Lar despontava com milhares de votos à frente dos demais concorrentes?

O voto de quem participou da enquete não teve peso algum? É só acessar o site http://www.cultura.gov.br/site/2010/09/08/enquete-oscar/ para ver. Estão lá os comentários do pessoal que indicou Nosso Lar, que não era o meu candidato, mas mesmo assim é um fenômeno de bilheteria. Muito estranha essa indicação. Pelo menos, o Obama vai poder assistir em casa o filme de Lula, the man.

Ou o júri não entende é nada de cinema ou entende é muito de política.

4 comentários:

Jayme Camargo Piva disse...

Meu caro Márcio: Concordo contigo em gênero, número e grau. O filme Lula, o Filho do Brasil, não vi e não gostei. Filhos do Brasil somos todos nós. O simplório designativo do título deveria ser O Filho de Pais Analfabetos, cuja ignorância ele tanto enaltece e avoca para si. Quanto ao filme - medíocre segundo a crítica - sua indicação depõe contra a nossa cultura, é fruto de politicagem rasteira, mercantilismo e demagógica campanha eleitoreira mal disfarçada, para vergonha e opróbrio de uma nação vilipendiada.

Tainã Steinmetz disse...

A essa altura, eu já acho que é só mais um "golpe" para promover a Dilma.

Anônimo disse...

Quando falaram que seria o filme do Lulla,pensei,só pode ser o "O Grande Mentecapito".Vai ser Viramundo nesse grande país.Braziu,mostra a tua cara!

Weimar Donini disse...

Caro Márcio,
até não concordo em muita coisa sobre a administração Lula. Negar sua importância histórica e sua brilhante trajetória de vida, jamais.
Entendo que o filme (ao qual ainda não assisti), representa a vitória do novo sobre a mesmice dos últimos 60 anos da história brasileira. Representa a possibilidade da gente do povo derrotar as eternas oligarquias. É, para mim, uma exemplar lição de determinação apenas vista em algumas grandes figuras da história universal.
Deveria representar o país num festival de verdade (Cannes). Não tem chances naquelas passarelas de veludo vermelho sob canhões de neon azuladas de Hollywood, ícone do mercantilismo cinematográfico.