segunda-feira, 14 de junho de 2010

Entreatos


Sabe quando tu come ou bebe algo que deixa um gosto ruim? Foi a impressão que tive há algumas semanas depois de ter assistido ao filme Lula, o Filho do Brasil. Um dramalhão bobo e novelesco que romantiza a vida do atual presidente do Brasil. Realmente um filme ruim, onde a intepretação de Glória Pires, como a mãe de Lula, salva todo o restante.

Foi com o propósito de tirar esse gosto ruim, essa impressão chata deixa pelo filme de Fábio Barreto que decidi assistir Entreatos, um documentário dirigido por João Moreira Salles sobre os bastidores da campanha política de Lula em 2002.

Na verdade, a produção acompanhou os últimos 30 dias dessa campanha que resultou na vitória dele. Trata-se de um documentário explêndido, que merece ser visto e discutido justamente por trazer apresentar de maneira honesta quem é Lula, que é visto conversando com políticos, com amigos, participando de reuniões estratégicas, contando sobre a criação do PT, fazendo telefonemas, gravando programas eleitorais, conversando com amigos, eleitores e até comendo pastel, contando piadas, cortando cabelo, falando de futebol, reclamando do assédio dos fotógrafos ou fazendo sambinha numa mesa, pouco antes de uma gravação.

Para quem pensa que o filme pode ser tendencioso, trato de esclarecer que não. João Moreila Salles não se "apaixonou" e nem "queimou" Lula. Apenas fez o trabalho a que se propôs de uma forma realmente imparcial.

Lula divide opiniões. Há quem seja contra, há quem seja a favor. Mas é impossível não reconhecer a sua importância histórica, afinal, está para surgir no país um líder de tamanho expressão com a dele. Em determinado momento, um grupo de pessoas acompanha o debate final entre Serra e Lula, exibido pela Rede Globo, sendo avaliadas pela equipe de Duda Mendonça.

Uma das participantes justifica sua simpatia para com Lula. "Ele fala a linguagem do povo, coisas que todo mundo entende. O Serra fica falando em subsídio disso e daquilo. Mas as pessoas nem sabem o que é subsídio".

Em síntese, é isso o que Entreatos mostra: quem é Lula e como ele se relaciona com as outras pessoas. Ou ainda: como as pessoas percebem o que ele diz e o que representa para elas.

Uma pena que esse documentário não tenha sido exibido por alguma emissora de TV. Trata-se de um material muito rico e que desperta a identificação com a figura humana de Lula, que se revela um sujeito brincalhão, crítico e bastante inteligente. Aliás, a inteligência empírica, vamos dizer assim, demonstrada por Lula se mostrou na prática muito mais valiosa para o Brasil do que a intectualidade construída por muitos pseudo-pensadores ao longo da história.

Fica a dica: Entreatos. Um documentário excelente.

A seguir, dois trechos:




2 comentários:

Anônimo disse...

Eu vejo que o diretor do filme deveria processar o George Lucas por plágio.Já que o Star Wars: Episódio III A Vingança do Sith foi lançado um ano depois do Entreatos,nos dois contam a mesma estória,a debandada pro "Lado Sombrio".Lula como o Anakin Skywalker,Frei Beto como Obi-Wan Kenobi e José Dirceu como Supremo Chanceler Palpatine e Luis Gushiken como o Yoda(uma gracinha!).

Tainã Steinmetz disse...

Tá aí o motivo que eu precisava pra NUNCA mesmo na minha vida votar no Lula ou em alguém do PT.

Pura arrogância. Uma pessoa que saiu do meio da miséria se preocupando com cor de gravata.