segunda-feira, 17 de maio de 2010

Quebrando minha rotina...

... no sábado à noite estive em dois eventos. Primeiro, no jantar dos 18 anos da URI. Depois, no Monsters Of Metal, organizado por meu amigo César Braga. Na festa da URI, resolvi que não iria me juntar ao estilo gravatas apertadas e sapatos lustrosos da burguesia local: fui de jaqueta de couro, calça jeans e tênis All-Star, totalmente despojado e à vontade. Ao chegar lá, desgostei da pouca organização com relação às mesas. Não se tinha um lugar definido mesmo que você tivesse comprado o cartão, que custava R$ 25. Eu acho um saco essa história de ficar zanzando pelo salão atrás de um lugar vago. Se os organizadores do jantar tivessem trabalhado um pouquinho mais para colocar numeração nas mesas e manter pessoas que conduzissem os convidados na hora em que chegassem, teria sido mais prazeroso para todos.

É constrangedor ficar esticando o pescoço e pensando "onde vou sentar" ou chegar perguntando pra um e outro "tem alguém sentado aqui?". Muito chato, muito chato. E digo isso não por mim, que não passei por isso, pois sentei nos providenciais lugares reservados para a imprensa. Mas de onde estava percebia o constrangimento de quem chegava e não achava lugar. Claro que todos conseguiram se acomodar, ainda que isso demorasse um pouco. Os discursos? Os de sempre: blá, blá, blé. Mas sabia que seriam inevitáveis. Em meio a isso, os candidatos à direção da URI, Chico Gorski e Ayda Bochi disputaram apertos de mãos dos convidados. Não fiquei muito tempo por lá depois da janta, mas pelo tempo que fiquei foi possível perceber uma coisa: a URI completou 18 anos. Mas na sua festa, faltou a presença justamente da razão principal de uma universidade existir: os alunos.

Um comentário:

Baile dos Namorados disse...

Prezado Márcio;

Inicialmente quero lhe parabenizar pelo Blog, que desde já passo a seguir.
Sendo CaL do Lions Clube Santiago Centro, e tendo participado da organização deste baile da URI de 18 anos, gostaria de manifestar meu comentário no sentido de que mesmo com mesas numeradas a organização quanto a disposição de convidados não seria de todo satisfatória pois em virtude do espaço físico e da estrutura do baile (no que diz respeito ao número de convidados e protocolo)não possibilitou ao LIONS fazer a venda de mesas e sim de cartões individuais, neste sentido acomodar os convidados é uma tarefa desafiadora e ocorre por ordem de chegada e não só de afinidade, tarefa que neste dia foi feita bravamente por alguns dos membros do clube. Talvez o fato destes membros do LIONS não terem usado uniforme (nosso traje oficial de trabalho) para o evento tenha dificultado a identificação, mas estávamos lá recepcionando e acomodando os convidados.
De qualquer forma, toda e qualquer crítica construtiva é sempre muito bem vinda para que possamos na medida do possível e na humilde condição de clube de serviço aperfeiçoar nossa atuação na promoção de eventos para a sociedade santiaguense.
Quanto ao "estilo despojado", adorei!!! Fora a ditadura da moda e viva a democracia da diversidade, tênis All-Star-Star é sempre muito bem vindo, pena que para dançar não deslize no salão ou até mesmo eu teria usado, e o preço na minha opinião é mais burguês que popular, uma vez que a maioria dos modelos custa mais de 10% do salário mínimo, provavelmente seja problema da carga tributária.
Um grande abraço e esperamos você e todos os enamorados para o "Baile dos Namorados" no dia 12 de junho no clube União.
Suellen Noronha-Lions Clube Santiago Centro.