quarta-feira, 14 de abril de 2010

O poder da telepatia


Eu acredito em telepatia. Aliás, nem é que eu acredite: é uma coisa que eu tenho certeza que acontece. As pessoas se comunicam telepaticamente, ainda que nem percebam isso, afinal, aprendemos a acreditar só naquilo que os olhos são capazes de ver ou as mãos de tocar, ainda que também acreditemos em deuses e santos que não podemos ver e nem tocar, o que acaba sendo um paradoxo interessante. Mais um, entre tantos que a sociedade possui.

Mas, enfim, sem desviar do assunto, a telepatia é algo real e usado por nós tanto quanto a fala. Mas você sabe quando pronuncia tais palavras, mas não se percebe quando enuncia um determinado pensamento que acaba por atrair algo ou alguém.

Sabe quando você sai na rua e, ao invés de dobrar nesta esquina, dobra naquela e encontra uma pessoa que gostaria de encontrar? É telepatia. As pessoas se atraem dessa forma, se encontram. Sabe quando está pensando em alguém e aquela pessoa te liga ou bate na sua porta? É telepatia. Aquela pessoa recebeu o seu chamado. Sabe quando uma pessoa está numa situação de perigo em algum lugar e, de repente, surge alguém que a ajuda? É telepatia. A pessoa mais próxima se conectou a essa e "ouviu" mentalmente o pedido de socorro, ainda que nem se aperceba disso. É a chamada transmissão de pensamentos.

Muitas vezes, a tantas destas situações damos o nome de "coincidência". No entanto, não acredito que o ser humano seja fruto do "acaso" ou da coincidência. Portanto, é por isso que creio em telepatia. Um pequeno exemplo: na tarde desta terça-feira eu tava mal, com uma espécie de enjoo ou dor-de-cabeça. Tava ruim de trabalhar, difícil de se concentrar. Mas não comentei com ninguém. Eis que, antes de encerrar o expediente, minha colega Suélen chega do meu lado e me deixa um pedaço de chocolate.

- Olha, pra ti. Sei que tu adora chocolate.

Pronto. Bastou comer aquele pedaço de chocolate para que eu melhorasse. Pode ter sido pelas propriedades do próprio doce, pode ter sido pelo carinho de minha colega. Mas o fato é que, de alguma forma, ela percebeu que eu não estava bem. E acabou que aquele pedaço de chocolate fez com que eu me recuperasse. Mas o que fez com que a Suélen viesse ao meu "socorro"? Telepatia, pura e simples.

Um comentário:

Tainã Steinmetz disse...

É... tudo no mundo é questão de energia mesmo.