segunda-feira, 15 de março de 2010

Santiago completa 15 anos sem cinema...


O prédio acima, onde hoje funciona o bar noturno Chaparral, abrigou um dos maiores cinemas do Rio Grande do Sul e, segundo alguns entendidos um dos maiores do Brasil. Chamava-se Cine Teatro Neno ou, popularmente, Cine Neno (anos depois enfiaram um nome politicamente correto de Casa de Cultura, desprovido do charme do original que, felizmente, era o o nome que se mantinha na boca do povo...).

Pois bem, o Cine Neno tinha capacidade para abrigar mais de 2.300 pessoas. Segundo sei, ele foi inaugurado na década de 70 e foi durante muitos anos o maior atrativo de minha cidade. Durante sua existência, o Cine Neno projetou grandes clássicos do cinema e não raras vezes via sua capacidade de 2.300 ficar insuficiente para abrigar tantas pessoas que queriam assistir as sessões dos clássicos de faroeste e também filmes de ação. As filas dobravam esquinas. Multidões se formavam em frente a esse prédio.

Quando criança cheguei a assistir alguns filmes no Cine Neno. Um deles, lembro bem, foi o Exterminador do Futuro 2. Fiquei uma tarde inteira vendendo picolé para conseguir dinheiro para comprar ingresso. Consegui o suficiente para dois ingressos. Mas como era criança não poderia assistir à sessão que aconteceria de noite. Portanto, precisava de um adulto me acompanhando. Foi então que bati na casa de meu vizinho Josimar de Souza, da Liquigás e o convidei para ir assistir ao filme comigo. Ele aceitou e fomos.

O Cine Neno, lembro bem, tinha uma característica que eu achava fascinante: antes dos filmes iniciarem, soava um gongo três vezes. Na primeira, apagavam-se as luzes da frente. Na segunda, as do meio e, na terceira, a sala mergulhava na escuridão. Em seguida, as enormes cortinas se abriam e a gigantesca tela do cinema se iluminava com o filme em cartaz. Era a mágica do cinema...

Uma mágica que atraia cinéfilos, grupos de amigos, casais de namorados ou crianças. O escritor Oracy Dornelles me comentou certa vez que até a década de 70 as pessoas tinham uma "crença" interessante com relação aos filmes dos estúdios MGM, cujo selo de abertura é identificado por um leão rugindo.

Acontece que as pessoas diziam que se o leão rugisse uma vez, é porque o filme era ruim. Se rugisse duas vezes, o filme era bom. Só que o leão da MGM sempre ruge duas vezes. Então, o filme era sempre bom (eheheheh). Parece brincadeira, mas ele me disse que as pessoas realmente acreditavam nisso.

Alguns filmes que o Cine Neno exibiu: ET, o Extraterrestre, a Trilogia Indiana Jones, De Volta para o Futuro, Exterminador do Futuro, Apocalipse Now, Django, Por Um Punhado de Dólares, Os Brutos Também Amam, Laranja Mecânica, Batman, Ghost, Superman-o Filme, King Kong, Rambo II, Uma Linda Mulher, Dança com Lobos, O Quatrilho, Pulp Fiction, Coração Valente, Forrest Gump e centenas de outros.

A tela do Cine Neno se iluminou pelas últimas vezes no ano de 1995. Não sei dizer qual foi o filme derradeiro, o último a colorir a tela branca da enorme sala de cinema. Mas é bem provável que neste dia fatídico o soar do gongo do Cine Neno tenha sido equivalente a uma marcha fúnebre, decretando a morte do cinema em Santiago.

*****
Foram pouquíssimos os filmes que cheguei a ver no Cine Neno, sendo que na maioria das vezes em que fui, era levado pelas professoras junto com os demais colegas de escola, geralmente para assistir alguma comédia, como Esqueceram de Mim ou algum filme dos Trapalhões. Já assisti filmes em todos os cinemas de Santa Maria, Lajeado e em vários cinemas de shoppings de Porto Alegre (Bourbon, Iguatemi, Rua da Praia, Shopping Total e Praia de Bellas). Mas em nenhum deles encontrei a mesma emoção que sentia na sala gigantesca do Cine Neno.

3 comentários:

Anônimo disse...

Tchê, muito boa a matéria sobre o Neno. Só que ele não foi inaugurado na década de 70. Acho que foi na virada dos 50 para os 60, quando ainda existia o Cine Imperial na Getúlio Vargas. Assim, o Neno era o "Cinema Novo", e o Imperial ganhou o apelido carinhoso de "Cinema Velho", ou simplesmente "Velho". Em 1971 assisti Esquadrão Mosquito no Neno, é o primeiro filme que lembro de ter visto ali.

Mauro Canabarro disse...

Tchê, muito boa a matéria sobre o Neno. Só que ele não foi inaugurado nos anos 70. Acho que é da virada dos 50 para os 60, quando ainda existia o Cine Imperial na Getúlio Vargas. Assim, o Neno passou a ser o "Cinema Novo", e o Imperial ganhou o apelido carinhoso de "Cinema Velho", ou simplesmente "Velho". Em 1971 assisti Esquadrão Mosquito no Neno, o primeiro filme que lembro de ter assistido ali.

Daniel Ribeiro disse...

Cheguei muito atrasado a este post. Mas foi bom le-lo. Morei na decada de 70 em Santiago e assisti muitos filmes no Cine Neno e no Imperial. Bom material. Fiquei sabendo que neste ano estão abrindo uma sala de cinema de novo na cidade. É muito bom. Mas jamais se terá aquelas tardes de domingo dos tempos de guri nestes cinemas.