terça-feira, 16 de março de 2010

O passado presente...

Apesar de termos adentrado uma década além do segundo milênio, nossos olhos constantemente se voltam para o passado. É assim com as coisas da vida, afinal é por isso que registramos fotos ou vídeos para, em algum momento futuro, revivermos algo que marcou. E é assim também com a literatura, pois ainda se estuda e se lê aquilo que foi escrito por autores de muito tempo atrás. E é assim também com o cinema. Nos últimos anos, uma enxurrada de filmes tem promovido viagens no tempo, seja trazendo de volta histórias que já foram contadas, reativando franquias ou refazendo aquilo que já foi feito há muito tempo tempo.

Exemplos existem vários. Veja o caso por exemplo de King Kong, cujo filme original data do ano de 1933, quando o gorilão foi produzido através da técnica de stop-motion; foi refilmado em 1976, com Jeff Bridges (ganhador do Oscar de Melhor Ator 2010), quando o macaco foi criado de forma mecânica e também com um ator vestindo um traje em meio a maquetes de Nova York e, por fim, a última versão, de 2005, dirigida por Peter Jackson, que usou dos efeitos digitais para apresentar a versão definitiva dessa história, que é considerada uma das mais incríveis já apresentadas pelo cinema.

No caso dos heróis de cinema os exemplos se multiplicam. Batman e Superman, por exemplo: o último filme do Batman estreou em 2008 e em 2012 terá outro; do Superman, o último foi lançado em 2006 e até 2013 deve estrear mais um. Só que tais personagens já eram conhecidos nos quadrinhos no final da década de 30 e nos anos seguintes já apareciam no cinema e na TV. E assim foram sendo reinventados a cada nova década até chegarmos aos modernos filmes dos anos atuais.

O detetive inglês Sherlock Holmes fez muito sucesso com a recente produção, com Robert Downey Jr no papel principal. Mas o personagem criado pelo escritor Arthur Conan Doyle teve também dezenas de outros filmes ao longo do século passado e, o mais incrível: o personagem, que hoje parece tão moderno, foi criado por volta de 1890. Sem citar que obras escritas por Isaac Azimov na década de 40 propagavam um futuro que ainda hoje não alcançamos, mas perfeitamente crível e que foi mostrado em Eu, Robô e também em Homem Bicentenário.


Nos últimos anos, o cinema trouxe de volta personagens consagrados na década de 70 e 80, como Rocky Balboa, Rambo e também John McLaine, da cinessérie Duro de Matar. Outros personagens dos anos 80 também voltarão a cena neste 2010, como Freddy Krugger, que volta num novo filme da série A Hora do Pesadelo; Wall Street que consagrou o ator Michael Douglas terá uma continuação; Tron, clássico da ficção científica lançado em 1982 (com Jeff Bridges...) volta também com uma segunda parte, agora em 3D; sem contar a saga Exterminador do Futuro, que iniciou na década de 80 e segue com novos exemplares ou também a cinessérie Star Trek, que foi reinventada com muito sucesso, além de muitos outros exemplos.

O livro Alice no País das Maravilhas, de Lewis Carrol, foi imortalizado pela Disney com o filme de 1951 e volta a atrair o público 60 anos depois com o novo filme de Tim Burton, que está em cartaz atualmente. O Lobisomem, clássico de horror da década de 30, foi refilmado e está em cartaz e nos próximos meses teremos Robin Hood de volta, depois de ter aparecido em dezenas de produções, inclusive uma versão de 1922, com Douglas Fairbanks e uma de 1938, com Errol Flynn.

Para breve devem surgir novas versões de O Planeta dos Macacos, lançado originalmente em 1968 (que já teve refilmagem em 2001); Alien-o 8º Passageiro, de 1979, sem contar a enxurrada de filmes de vampiro, que não são nada mais do que influenciados pela mitologia pavimentada pelos clássicos da década de 30, com Bela Lugosi e que foram inspirados pela obra do escritor Bram Stoker, que lançou o livro de seu personagem mais famoso em 1897.

E, assim, o cinema segue evoluindo técnicas, aprimorando efeitos especiais e ruma para o futuro. Porém, com os olhos voltados para o passado. É como diz naquela propaganda do canal TNT: "Acontece na vida. Acontece nos filmes..."

Nenhum comentário: