segunda-feira, 1 de fevereiro de 2010

5 perguntas para: Lígia Rosso


Sabe aquelas frutas temporonas, que nascem fora de sua estação, mas que contém um sabor inexplicável? Assim é a minha querida amiga Lígia Rosso. Ela é uma mulher temporona. Não é dessa época. Na verdade, sua essência deve ser de uma época muito antes dessa. Digo isso por reconhecer nela uma pureza que não parece se encaixar neste milênio (ou talvez, seja porque ela carregue a semente de uma nova era).

Ela mais parece uma daqueles hippies paz e amor dos anos 60. Ou talvez não. Sua elegância e fleuma remontam para a Inglaterra de Shakespeare, de tempos idos. Ou não também. Talvez, Lígia Rosso pertença a um tempo que ainda está por vir e sua mente e coração estejam muito à frente de nossa época. Ou seu espírito luminoso tenha viajado de algum outro recanto do universo (um espírito cumprindo uma missão neste planetóide)

Só sei que ela é essa pessoa amiga de todos, que traz a verdade no olhar e nas palavras, amiga incondicional, que não guarda rancores, que faz poesia e que também faz da vida uma poesia. Impossível ver a Lígia sem um sorriso no rosto. Impossível encontrá-la e não ganhar um abraço. Entre tantas qualidades, é santiaguense. Professora de vocação, amiga de todo o coração, de vários anos. Eis aqui, cinco perguntas que lhe fiz. Compartilho com os leitores as respostas:

1- Tu tens um espírito comunicativo e, quando adolescente, atuou no rádio santiaguense. Gostaria de voltar?

Adoro comunicação, até pensei em ser jornalista quando adolescente. Tive a oportunidade de atuar na Iguaçú e na Verdes Pampas naquela época e foi uma fase muito legal. Gostaria de atuar em rádio novamente, não como um trabalho, mas como um projeto alternativo, paralelo a minha carreira de professora.

Como adoro e ensino Língua Inglesa, gostaria de unir o útil ao agradável: ter um horário semanal numa das FMs de Santiago para fazer um programa específico com bandas internacionais, comentando curiosidades, detalhes da carreira e tocando suas principais músicas. É um projeto a ser pensado para os próximos anos...em aula trabalho muito com músicas para facilitar o ensino do inglês e tem muita banda excelente que anda meio esquecida...

2- Aos 21 anos, tu tivestes a oportunidade de ir trabalhar no exterior para uma grande empresa, mas preferiu ser professora. Por que?

Porque eu simplesmente amo o que eu faço, vejo sentido na minha ação, na minha vida profissional e isso reflete na minha vida pessoal também, me enriquece como ser humano. Na época, essa multinacional me disse que eu teria tudo para uma projeção internacional pelo fato de dominar o inglês. Porém, quando o gerente solicitou que eu mudasse de curso, indo para algum que tivesse a ver com administração ou contábeis (eu estava iniciando Letras na época), não tive dúvidas: pedi demissão na hora e apostei tudo na minha carreira como professora de inglês. Não me arrependo dessa escolha...muito pelo contrário! Há dez anos sou professora com muito orgulho, alegria e coragem para enfrentar os desafios do educar!

3- Como tu reages a críticas destrutivas e também construtivas?

Depende muito da situação. A primeira coisa que procuro analisar é de quem ou de onde vem a crítica...vejo se realmente vale a pena refletir sobre, enfim. Procuro ser uma pessoa diplomática em minhas respostas, quando isso se faz necessário, pois não gosto de alimentar conflitos. Se eu considerar a crítica construtiva, procuro refletir sobre o que foi dito e melhorar como pessoa. Mas, se eu considerar a crítica muito injusta, vou respondê-la de alguma forma.

4- Tu acredita em Deus? Se, sim, como o vê?

Acredito sim! A fé é o alicerce da minha vida, pois acredito na força superior que nos guia nesse plano terrestre e a ela dou o nome de Deus. Pra mim Deus não é algo que deva ser explicado, mas sim, sentido no mais profundo de nossa alma, do nosso coração. Ele é e está, nas mais simples e nas mais complexas coisas que nos rodeiam. Ele se manifesta em nós quando agimos com amor verdadeiro e em prol do bem de todos.

5- Algo que se tu perdesses, teria certeza de que tua vida não faria mais sentido?

Minha escrita, minha capacidade de amar, minha liberdade de expressão, meus amigos(as) verdadeiros, minha família, a saúde e a alegria que tenho pelo simples fato de estar viva. Esses são aspectos essenciais pra mim. Todo o resto se dá um jeito...



Conheça o blog da Lígia Rosso: www.ligiarosso.blogspot.com

Um comentário:

Lígia Rosso disse...

...puxa vida meu amigo Márcio! Estou emocionada. Obrigado, de todo coração! Valeu!! Bjs.