segunda-feira, 22 de fevereiro de 2010

Lorotas que os supermercados nos contam...


Tem coisas que são realmente uma palhaçada. Ou melhor: há certos circos que são armados, especialmente em algumas grandes empresas, para fazer os consumidores acreditarem naquilo que é dito (ou escrito), quando o propósito é nos fazer passar por palhaços. Como eu não gosto dessa coisa vaga de dizer que "tem pessoas que" ou tem "lugares que", já vou dizer direto:

A Rede Vivo. É, sim. A rede de supermercados aí da cidade. Outro dia, entrei na Rede Vivo junto com meu amigo Sidi. Como portava meu notebook, fui deixá-lo depositado no guarda-volumes, a fim de estar com as mãos livres para fazer compras. O Sidi ainda me aletou: "tu é louco de deixar teu computador aí. Ouvi dizer que tem gente que já perdeu coisas que foram retiradas daí", disse-me.

Nesse caso, explicou meu amigo, suspeitou-se que alguém teria feito uma cópia da chave de alguns armários (afinal, é só entrar, pegar uma chave e sair para voltar a hora que quiser...) e fez a limpa num armário, enquanto o cliente fazia as compras.

Até aí, não se duvida de nada. A malandragem alheia é algo realmente criativo - é preciso admitir isso- que se não duvida que tal história seja mesmo real (ou não passe de mito urbano...). De qualquer forma não é da malandragem dos malandros que quero falar. E, sim, da malandragem do próprio supermercado (e de supermercados que fazem o mesmo....), o qual ostenta um cartaz grudado no guarda-volumes onde está escrito bem grande que "o estabelecimento não se responsabiliza pelo eventual sumiço de algum pertence", algo assim.

Façamos uma leitura, além do que nos diz o cartaz. Quando a Rede Vivo diz que "não se responsabiliza por eventual sumiço", está também dizendo que não oferece segurança para os seus clientes e reconhecendo que o serviço oferecido é falho. Tão falho, a ponto de um cartaz precisar alertar isso. Mas, fazendo um salvo-conduto para o supermercado, é também preciso reconhecer que sempre pode haver algum cliente bocaberta que carrega a chave do armário, perde e outro encontra e, assim, toma posse daquilo que estava por ali. Em casos assim, o cliente é que foi negligente. Cada caso é um caso...

Ainda há outra leitura: se um estabelecimento oferece um serviço de guarda-volumes como atrativo para que você possa fazer suas compras, é claro, é óbvio e é cristalino que ele deve sim se responsabilizar pelo que é depositado ali. Um cartaz desse tipo é uma forma de enganar o consumidor e chamá-lo de palhaço. "Esqueça, se você perder o que é seu, azar. Não temos nada que ver com isso".

Pois bem. Deixei meu notebook lá no guarda-volumes e caso ele tivesse sumido, é bem provável que eu tocaria o horror para cima do grupo da Rede Vivo. Quaisquer supercado que possui guarda-volume deve se responsabilizar pelo que está confiado ao espaço que o estabelecimento oferece. A mesma regra vale também para o estacionamento do supermercado. Se você estacionar seu carro por lá (ou em qualquer outro estacionamento de mercado) e o seu carro for roubado, o mercado é responsável e deve indenizar o consumidor.

Da mesma forma que uma empresa de ônibus ou um aeroporto é responsável, caso extravie os pertences de seus clientes. Afinal de contas, você está pagando pelo serviço que a tal empresa oferece. E esse serviço inclui a segurança dos seus bens.

Até porque, experimente quebrar uma garrafa de vinho ou um copo dentro do mercado ou qualquer outra coisa. Você terá de pagar por aquilo, mesmo que tenha sido um acidente. E, me diga, porque você assume uma responsabilidade ao entrar no mercado e ele não arca com as que lhe assiste, por lei?

Por fim, voltando ao assunto do guarda-volumes, não vou radicalizar tanto com a Rede Vivo, mas sim, dar sugestões. O Supermercado é, sim, responsável pelo que estiver depositado ali. Portanto, deveria manter um funcionário cuidado desse setor. Ou ainda: manter câmeras voltados para o guarda-volumes. Ou ainda, fazer como é feito no Big, em Santa Maria ou outros grandes mercados: ter um setor só para ensacar aquilo que o consumidor traz com ele (bolsa, sacola, mochila etc), possibilitando que ele possa andar dentro do mercado sem precisar depositar seus pertences em algum lugar. Especialmente nos guarda-volumes de supermercados que "não se responsabilizam por isso"...

O cartaz na Rede Vivo é só uma lorota de gente muita viva...

Um comentário:

Renan MG disse...

Concordo plenamente!Se a gente entra no mercado com sacolas (ou seja la´o que for) ficam olhando pra gente como se fôssemos roubar, aí se deixamos no guarda-volumes elas não se responsabilizam! é uma cretinice!