segunda-feira, 23 de novembro de 2009

Santiago Encena e o trofeu Caio Fernando Abreu

Eba! É nesta segunda-feira que inicia o Santiago Encena, festival de teatro amador, que vai estar acontecendo no GSSGS até a próxima quinta-feira. Infelizmente, não vou poder estar por lá assistindo todas as peças como fazia há alguns anos. E, na verdade, não tenho lá muita paciência para assistir uma peça de teatro ser apresentada. Calma, não é preconceito. Vou explicar: é que eu gosto muito de teatro. E cada vez que vejo um ator no palco, me bate aquela ânsia de querer estar lá também. É que, para quem não sabe, eu participei de várias peças de teatro. Inclusive (com licença para me exibir...) foi uma peça que eu escrevi quando tinha 15 anos que venceu o I Santiago Encena, chamada A Visita da Sogra.

Me criei dentro do Centro Cultural, participando das oficinas de teatro ministradas por meu amigão Jones Diniz. Aliás, sou uma cria do Jones, devo dizer. E foi através do teatro que ganhei muitos amigos. Dois deles chamam-se Zé Lir Madalosso e Enadir Vielmo.

Destaco essas duas pessoas porque na noite de hoje eles estarão recebendo (muito merecidamente) o troféu Caio Fernando Abreu, a ser entregue na abertura do Santiago Encena. O Zé Lir Madalosso é um talentoso cronista, humorista e um professor incrível, adorado por seus alunos. É uma pessoa simples, perspicaz e inteligente. É também um dos editores do jornal literário Letras Santiaguenses, que há 14 anos é um marco na cultura santiaguense e que, durante anos, foi a única produção santiaguense a legitimar o título de Terra dos Poetas que é ostentado por nossa cidade. O Letras ocupa uma página importante na história da evolução cultural de nosso município. O Zélir vai receber o troféu Caio Fernando Abreu por conta de seu trabalho na literatura.

Já a professora Enadir Vielmo será merecedora do troféu Caio Fernando Abreu no segmento cultural. Ela é, senão, uma patrona das artes, que há anos dedica-se ao Centro Cultural de Santiago, incentivando a literatura, o teatro, a música, as artes plásticas. Não foram poucas as vezes em que tive o privilégio de dividir o palco com a professora Enadir, que também fez várias peças teatrais. Entre elas, "A Visita da Sogra", "O Macaco e a Velha", "A Minissaia que Queria Entrar para o Céu", "Paixão de Cristo" e várias outras. Ela também luta pela valorização da terceira idade e participa do Coral Helena Teixeira. A Enadir é uma pessoa incansável e não há, em Santiago, outra pessoa que se iguale a ela. Merece, sem dúvida, o troféu Caio Fernando Abreu na Cultura.

Ah. Quase ia esquecendo. A professora Salete Reolon vai também receber troféu por seu trabalho na educação...

Um comentário:

Tainã Steinmetz disse...

"troféu Caio Fernando Abreu". Que lindo! Como dão valor para quem virou as costas pra cidade depois de ter sido ESCURRAÇADO dela.