segunda-feira, 2 de novembro de 2009

Quase liguei...


Pensei em te ligar. Na verdade, peguei o telefone e digitei os números de teu celular. Só faltou ligar. Mas não tive coragem. Ia dizer o que, afinal? "Feliz aniversário!!!" Sim, o motivo para te ligar seria esse, mas e depois? E depois de dizer uma frase pronta, estaria preparado para seguir?

Talvez sim, talvez não. (É provável que não, pois tu me deixas sem palavras, de uma forma ou outra). O engraçado é que muito de ti não existe, de verdade, em ti, pois faz parte da mitologia que criei de ti. O tu que temo é aquele criado por mim mesmo. Em mim, tu é mais bela. Em mim, tu é mais intensa. Em mim, tu é mais terna. Em ti, eu não encontro o meu reflexo.

Sendo assim, poderia ser idiota ao falar contigo. Aliás, seria mesmo idiota te ligar. Foi por isso que não liguei. Fiquei só no confortável (e torturante) quase...

Um comentário:

Júnior Antônio disse...

De fato, vivemos em nossa projecção de amor, muito mais do que ao ser amado. Afinal, amamos. Ainda entenderemos o que precisamos fazer com isso. Se ao longe vislumbra que amas mais ao amor, te aquieta amigo, fica somente nele. Mui bueno Poeta