terça-feira, 2 de junho de 2009

Assim vou e assim vôo...


Meu blog ultrapassou de 70 mil visitas. Agora, em junho de 2009, fazem exatamente sete anos que eu venho escrevendo em blog. E, tenho a certeza de que fui um dos primeiros blogueiros de Santiago. Pelo menos no time atual, sou o veterano. Mas tenho a impressão que um dos primeiros blogs a surgir aqui na cidade foi o da turma do Café Bem Doce, quando era coordenado por meu amigo Bactéria. Porém, iniciei minhas postagens num provedor que já não existe mais, que era o Weblogger e que me serviu durante três anos. Depois é que passei para o Blogspot. Portanto, se fosse contabilizar minhas postagens anteriores que já sumiram do Cyberespaço (já que o servidor foi desativado), certamente teria passado das 100 mil visitas (talvez metade delas tenha sido minhas, mesmo.
------
Meu blog já chegou a ter mais de 300 acessos diários. Hoje, caíram pela metade. A receita para ter bastante acesso é atualizar mais vezes seguidas por dia. De preferência, com assuntos palpitantes a respeito da política, sociedade etc. Mas, confesso: em sete anos de postagens, cansei do modelo palpiteiro de plantão. Já faz um bom tempo que deixei de fazer postagens lançando o olhar sobre o que está acontecendo lá fora. Hoje, meu mundo gira em torno de meu umbigo. Não falo mais sobre política, porque cansei disso. Gosto da ciência política, como ela é concebida. Mas falar de política, resulta em falar dos políticos e isso é muito cansativo e vira especulação e conversa de bar. Prefiro não orbitar nesse universo e manter boas relações com todo mundo. Fica parecendo discurso "em cima do muro", mas não quero semear inimigos. Afinal, temos tão pouco tempo na vida para conviver e fazer amigos...
-----
Minhas postagens falam de coisinhas corriqueiras. Filmes que assisti. Coisas que fiz. Coisas que gosto. Pessoas que gosto. Notícias que acho interessante. E quanto mais eu escrevo disso, menos acessos eu tenho. Uma das coisas mais legais que se tinha quando comecei a conviver com blogs, era justamente a interação entre blogueiros, que sempre era muito cordial. Outro dia, recebi um comentario da Nívia Andres que reacendeu essa chama da cordialidade blogueira (e foi justamente numa postagem onde eu falava umas besteiras). Pudera, a Nívia é dessas pessoas que sempre busca manter o equilíbrio e a cordialidade e é uma das pessoas mais elegantes que eu conheço. Outro dia, quando eu fizer uma lista de pessoas que admiro pela postura e elegância, certamente ela estará inserida. Outra é a Marta Finamor. Bom, estou desviando do assunto, o que é típico de um sagitariano. Não que eu acredite em signos e, estou desviando de novo...
-----
Enfim, faço de meu blog o meu diário virtual. Para relatar meus prós e contras, meus pormenores, sonhos e decepções. Se vai cair ainda mais o número de acessos, certamente vai. Queria ter mais ânimo para escrever no blog. Queria ter mais ânimo para voltar a escrever a minha coluna no jornal com mais inspiração. Mas acontece que ando triste e não é aquela tristeza criativa. A vida é curta e a gente precisa aprender a conhecer as pessoas e separar o joio do trigo, como se diz.
Sinto saudades de algumas pessoas. Sinto saudade de conversar com pessoas que marcaram a minha vida. Algumas delas? O César Dors. A Lidiane. O Cristiano Freitas. Acho que toda vez que a gente conhece uma pessoa e sintoniza com ela, uma conexão se estabelece e aquela pessoa vira parte de você, assim como você também vira parte daquela pessoa. E quando elas estão longe, aquele vazio jamais é preenchido com aquelas tais características que se encaixaram direitinho naquele espaço. Assim, fica essa sensação de vazio e de desencaixe, por mais que se tente ocupar aquele vão. Sempre em vão. Cada pessoa é preciosa à sua maneira e é preciso enxergar essa beleza. Ninguém jamais será como outro alguém.
Cada um tem muito de anjo e de demônio, mas ter algo de demônio não significa querer prejudicar as pessoas com propósitos gratuitos, isso realmente é deprimente e quem faz uso desses expedientes merece realmente mergulhar no fundo do poço. Afinal, somos o resultado de nossas ações e o conjunto de nossas emoções.
Bem, sigo o caminho que vou trilhando que eu nem sei de onde vim ou para onde vou. Sei que vou indo, questionando algumas coisas, abdicando de muitos pensamentos, aprendendo com quem é mais novo ou mais velho que eu. Observando os erros de quem é mais novo ou mais velho que eu. Meu blog segue assim, desinteressante e descompromissado. Tentando buscar as respostas para perguntas que me inquietam. Lançando ao cyberespaço um pouco do que sinto e do que sou. Demarcando os caminhos por onde passei. Tentando compreender meu próprio coração e alcançar o inalcançável. Como Ícaro (ilustração). E assim vou. E assim vôo...

E, como sempre, desviei do assunto...

2 comentários:

Nivia Andres disse...

Olá, Márcio!

Fiquei feliz porque mencionaste meu comentário. Foi verdadeiro, porque sinto falta de tuas opiniões, sugestões e histórias, sempre tão bem escritas! Sinto falta, também, da interação com outros blogueiros. Olha só, escrevo artigos, semanalmente, para o blog de um jornalista de Franca, São Paulo,o Edward de Souza. Cada texto meu, seja crônica, sugestão de livros ou filmes, recebe, no mínimo, 30 comentários. De gente de todo o país e até do exterior. Tem coisa melhor?

Meu blog tem menos acessos do que o teu, porque também não me ocupo de fofocas, não faço intrigas nem fomento polêmicas. Escrevo e opino sobre assuntos que considero interessantes, sem a preocupação de atualizar todos os dias o blog. Até gostaria, mas nem sempre os assuntos em discussão me sensibilizam.

Não desiste do teu blog. Ele é precioso.

Um abraço,

Nivia

Weimar Donini disse...

Olá Márcio.

Esta crônica continua atual e verdadeira. Sinal de que o que escreves é perene. Persista e insista!

Um abraço.