terça-feira, 14 de abril de 2009

Governadora Yeda Crusius: "Santiago precisa valorizar Caio Fernando Abreu"


O amigo Fábio Monteiro gentilmente me enviou a foto em que ele aparece ao lado da governadora do Rio Grande do Sul, Yeda Crusius. E é com uma satisfação e tanto que contemplei essa imagem, de ver a maior autoridade de nosso Estado, avalizando os livros "João Goulart, Suas Memórias em Santiago" e "Inventário Histórico de Santiago", escritas por este jovem e talentoso santiaguense. Yeda reconheceu e incentivou o trabalho de Fábio, que a custa de um trabalho sincero e devotado tem galgado um importante espaço que só ele ocupa deste tenra idade. O reconhecimento da governadora ao trabalho de Fábio é um tapa de luva em alguns intelectualóides, metidos a ditadores culturais, que torcem o nariz para a produção do guri, muito mais interessados em apontar erros que acaso ele venha a cometer -até em função da pouca idade- do que reconhecer os seus méritos e incentivá-lo. E é, portanto, que faço esse registro reconhecendo esse jovem santiaguense que merece a nossa atenção, o nosso apoio e incentivo para que siga desenvolvendo esse trabalho.

Mas outro dia, conversando com o Fábio a respeito de sua visita para a governadora fiquei sabendo de algo que me deixou vibrando, simplesmente porque compartilho do mesmo pensamento que ela. Segundo Fábio, a governadora Yeda lamentou o fato de Santiago ter dado mais importância ao trabalho de Aureliano Pinto (que é natural de Tupanciretã), do que para Caio Fernando Abreu, legítimo filho de Santiago e que nunca teve o reconhecimento merecido por aqui. "Fui colega de faculdade do Caio. Ele foi um grande intelectual, um escritor maravilhoso. Santiago tem um nome forte na literatura e esse nome é o do Caio", enfatizou ela.

Enfim, eu sempre falei que a obra de Aureliano tem a sua importância, mas é preciso guardar as devidas proporções porque a literatura dele não sai dos portões de nossa querência. A verdade é essa e me apresentem argumentos de que Aureliano se equipare a Caio Abreu em qualquer círculo intelectual desse país.

Já o Caio é reconhecido em todo o Brasil e em outros países, como França, Inglaterra, Suécia, Espanha etc. Simplesmente não tem como comparar. E é por isso que, mais uma vez eu digo, Santiago precisa valorizar mais e mais e mais a obra de Caio Fernando Abreu e fazer justiça ao seu trabalho e dar o devido reconhecimento que ele não teve em vida. Da mesma forma, meus amigos, devemos prestar o devido reconhecimento para jovens talentos como Fábio Monteiro. Que mania que temos de só bater palmas para as pessoas que já morreram.

Um comentário:

ALFREDO disse...

muito oportuna essa sua postagem. caio merece, mas os donos da cultura em Santiago já ergueram até monumento para Aureliano, que não é santiaguense. Caio que é um nome internacional, ganhou uma plaquinha.