segunda-feira, 16 de março de 2009

O casamento de meus pais


Como já comentei aqui no blog, fui criado pelos meus avós. Mas sempre os tratei por pai e mãe. Outro dia, minha mãe, a dona Celi, me deu uma notícia:
- Eu e teu pai nos casamos.
Eu olhava para ela sem conseguir entender exatamente o que ela tinha dito.
- Desculpe, não entendi direito o que a senhora falou. Parece que ouvi que casou com pai...
- Sim. Foi isso. O padre veio aqui e nós casamos.
Fiquei ainda mais confuso.
- Mas como? Vocês não eram casados?
- A gente era, há 50 anos, mas só no cartório, não no "religioso". Aí, o padre esteve aqui e a gente casou....
Minha cabeça dava voltas. Segundo ela, aquele casamento teria acontecido ali mesmo. O cenário: a sala. Os personagens: eles e o padre.
- Mas...mas...mas como??! A senhora não me disse nada, não avisou, eu queria ter visto...
- Eu também não avisei nada para ele. Ele só soube quando o padre chegou aí. Senão, iria querer fugir...
Ela respondeu, do alto de seus 76 anos, com um sorriso maroto (e adolescente) nos lábios.
- Mas, e ele...?
- Ele ficou sem jeito, todo envergonhado, na hora que o padre chegou. Tentou "deixar para outro dia", mas o padre disse que não. Aí, ele foi tomar banho, se arrumou e casamos.

Disse, sintetizando a história. A princípio, fiquei sem entender. Depois, achei o máximo. Mas sabia que o pai ainda estava na dele (até porque não tinha falado nada). Mais tarde, não pude de brincar com ele:
- E aí: então, quer dizer que o senhor casou, é? Tem certeza de que está preparado para assumir essa responsabilidade?

E ele me olhou e deu um sorriso amarelo (pois viu que eu estava gozando com ele). Há mais de 50 anos, o seu Pedro está casado com a mesma mulher, com quem teve quatro filhos (e um adotado, que sou eu). Sempre sendo honesto, sempre sendo paciente. Há mais de 50 anos, envelhece ao lado da mulher que escolheu para viver e segue cumprindo a promessa de amá-la e respeitá-la na saúde e na doença (como de fato, vem cuidando...). E ele estava preparado para tudo. Mas seu olhar de católico aflito entregava o "ouro": Ainda não estava preparado para casar. Pelo menos, não na frente de um padre...

3 comentários:

melia kindler disse...

hahaha Marota demais a tua avó. Casa e nem avisa o marido!!!

;**

Micheli Pissollatto disse...

Haha! Muito legal, parabéns por teus pais. *-*

Tati Silveira disse...

Linda história Marcio. Achei uma atitude corajosa de tua avó e também uma prova de amor querer "casar" com seu avô mais uma vez! Parabéns aos dois e à você, pela graça de conviver com eles.