sexta-feira, 20 de março de 2009

Jones e eu...


Outro dia, postei uma foto minha segurando o Jones no colo e confessei que não tinha medo de segurar criança. Em seguida, o meu amigo César Dors tratou de me xingar. "Onde já se viu não saber segurar uma criança? Vai aprender!".

Tá bem, César. Agora, estou postando uma nova foto do Jones, durante um passeio no Parque Zamperetti. E, olha só, já estou começando a pegar o jeito. O Jones é o primeiro (de 12) filho de meu melhor amigo, o Francisco Rosso Diello. Ah, teve a participação da mãe também, a Luana. Dois grandes amigos. Dois seres humanos maravilhosos que Deus me concedeu a dádiva de conhecer e conviver. É como diz naquela crônica (que errôneamente é atribuída a Shakespeare) "os amigos são a família que Deus nos permitiu escolher". Pois bem, o meninão aí acima é meu afilhado.

O primeiro, devo dizer, já que o Cristiano, o rei do gado lá de Goiás, havia convidado eu e a Marcela para sermos padrinhos de seu filho, o Pablo. Mas só ficou na conversa daquele jaguara, mesmo. Assim, somos padrinhos do Jones eu, a Tainã, a Paola e o Wendel. Falando neles dois, estão morando lá em Rio Grande. E prometeram que vão vir visitar os amigos nas férias. Já avisei ao Wendel que vou guardar um ovo para ele...

2 comentários:

Cristiano Freitas Cezar disse...

Meu caro amigo (quando começo a escrever assim já deves pensar, "lá vem bomba"), em primeiro lugar, agradeço-te pela chance de ver uma foto do Jones, que ainda não tive a oportunidade de conhecer, (espero fazê-lo nas minhas férias).
Em segundo lugar, não tenho propriedade, posses, nada fixo (e nem pretendo ter), portanto, se criasse gado, seria no quintal de casa, comendo as gramíneas que insistem em nascer nos cantos do concreto.
Sou empregado de uma empresa, assalariado, sem nenhum tipo de eufemismo do tipo "colaborador", empregado mesmo.
Em terceiro lugar, quem fugiu da raia, no caso do "apadrinhamento" (obviamente que não político) de meu filho foi tu.
Expliquei claramente que não o batizaria, sob as doutrinas de nenhuma ordem religiosa, daria a ele, a opção que não tive, escolher alguma, ou como fiz, me abser desses pensamentos caducos, como ateu que sou. Mas te consideraria como tal, e o convite foi realmente sincero.
Fiquei realmente muito feliz em ver essa foto, é um belo garoto, (o Jones obiamente). Por favor diga ao Chico e a Luana, que lhes dou os parabéns, lhes mando um grande abraço, e registro meu desejo de muitas alegrias à essa maravilhosa família.
Um grande abraço.

Cristiano Freitas Cezar
EMPREGADO

Márcio Brasil disse...

Eu fora de ti: ainda se deu ao trabalho de me responder!!

Eu tava inticando contigo, jaguara!!

Abraços por trás!