sexta-feira, 27 de março de 2009

Felicidade agora...


A felicidade é feita de instante a instante, de momento a momento. Quer coisa mais óbvia que dizer isso? Ao escrever essa frase ouço o Paulo Ricardo cantar a música Felicidade, que é uma versão de Love of my life do Freddy Mercury. Hoje à noitinha estava conversando com minha querida amiga e colega Patrícia. Eu ainda não tinha comentado sobre ela aqui no blog, né? Pois bem: ela é uma garota bonita, sensível, agradável, uma colega maravilhosa mesmo. Então, a gente conversava justamente a respeito de felicidade, das pequenas coisas da vida, dos momentos diminutos e que carregam em si um universo de sentimentos. O que ela me dizia: que a sua filhinha queria que ela lhe desse banho.

E depois disso, que preparasse algo para ela comer. Então, diante desse diálogo fiz ela lembrar de um outro que havíamos travado um dia anterior, sobre melancolia, onde ambos estávamos borocoxôs. Aí, diante da notícia de que a filha dela reclamava por sua atenção, eu disse a ela a frase óbvia que eu escrevi logo acima, de que a felicidade é feita de instante a instante. Ela vem assim mesmo, no dia-a-dia, de minuto a minuto e em doses homeopáticas. Para muitos, a felicidade é como se fosse um país distante que um dia será visitado. Basta que, para isso, se consiga ganhar na loteria, comprar um carro ou fazer uma plástica. Quando na verdade não! A felicidade é algo tão, tão presente em nossa vida que muitos deixam de percebê-la, simplesmente porque acham que ela não está ali.

É como aquela lenda do homem que sonhava com um tesouro em outro lugar, quando na verdade estava era no lugar de onde ele tinha saído (o Paulo Coelho escreveu sobre isso em O Alquimista). A felicidade para mim é que, nesse momento, em que escrevo esse texto, meus dedos dançam no teclado do meu computador.

Aliás, um computador que eu pude comprar com o fruto de meu trabalho. Isso é felicidade! Há poucos instantes, o meu telefone tocou: um amigo queria saber o que eu estava fazendo e me convidava para ir na casa dele. Isso é felicidade. Hoje a noite pude ter uns instantes de conversa com meu irmão César Dors. Isso é felicidade. É estar vivo, ter perspectivas. É acreditar em si próprio. É o diz aquele jingle das lojas Colombo:

Felicidade é deitar no sol,
É abraçar o filho é ver o amanhecer,
É aniversário é cartão postal,
Pipoca e filme, é noite na TV.
Felicidade é um 10 na prova,
É café na cama, é fruta do pé,
É uma rosa, uma receita
nova.
É entrar em férias, é um picolé.
Felicidade, para existir,
Pequena, imensa, tem que surgir,
Felicidade é perceber,
Que a felicidade mora aqui!


Amanhã, depois que acordar, tenho um trabalho, tenho colegas, tenho amigos. Isso é felicidade. Ao contrário da tristeza, a felicidade não se apresenta num turbilhão enorme que nos atropela anunciando a sua chegada e nos fazendo reclamar de sua presença como uma visita indesejada, a qual não vemos a hora de ir emboa. A felicidade está presente em todos os momentos em que temos a possibilidade de fazer o bem e de receber o bem. Isso é felicidade. E cada qual encontra a sua do jeito que souber enxergar.
-----
Um bom dia para todos!
----

Ah, o rapaz que aparece saltando na água na foto acima é o meu amigo Francisco, pulando da ponte do balneário de São Vicente direto pra água. Para eu captar essa imagem o Chico saltou da ponte umas seis vezes dentro da água. O detalhe: ele não sabe nadar. Isso que é amigo não é porcaria!!

Nenhum comentário: