terça-feira, 17 de fevereiro de 2009

Perondi: "O RS não merece essa campanha difamatória"


Em pronunciamento no plenário da Câmara, o deputado Darcísio Perondi (PMDB-RS) fez um apelo ao Sindicato dos Professores do Rio Grande do Sul para que reveja sua posição e encerre a campanha difamatória e violenta contra a governadora Yeda Crucius. Segundo Perondi, o Estado, depois de muitos anos e vários governadores, sofreu enfim um choque de gestão, teve suas contas saneadas e voltou a investir. Só este ano, serão R$ 2 bilhões em investimentos. Perondi destacou também que os pagamentos a servidores e fornecedores, estão todos em dia e que a governadora não merece sofrer as pressões que vem sofrendo, tanto que a sociedade gaúcha já reagiu contra o movimento do sindicato.

Segue, abaixo, o pronunciamento na íntegra:

"Trago absoluta solidariedade à Governadora Yeda Crusius, que reformou e reorganizou o Estado. O Estado, este ano, está investindo mais de R$ 2 bilhões. No primeiro ano, investiu R$ 50 milhões; e no ano passado, R$ 200 milhões. Isso, porque S.Exa. precisou fazer a reforma do Estado. As precatórias estão pagas, a folha de funcionários está em dia, os fornecedores estão recebendo em dia, as prefeituras também. O repasse da educação e da saúde para os municípios, hospitais e escolas esta sendo feito em dia.

Enfim, S.Exa. fez um choque de gestão. Mas, infelizmente, mais uma vez, o Sindicato dos Professores do Rio Grande de Sul, milionário, iniciou, semana passada, uma campanha ofensiva e pessoal à Governadora. Felizmente o Ministério Público retirou-a. São mentiras. Uma violência que o Estado jamais tinha visto. Resultado: a sociedade gaúcha reagiu, a Justiça reagiu, os pais dos alunos não aceitaram. É uma pena.

Quero propor ao Sindicato dos Professores que usem o dinheiro milionário da arrecadação que os professores pagam todo mês, descontado da folha, para curso profissionalizante para os filhos dos professores, para planos de saúde dos professores, para treinamento dos professores, um plano de habitação dos professores, mas não façam essa campanha.

O Rio Grande do Sul não merece isso, os professores sindicalizados não merecem isso. Ainda está em tempo de o Sindicato dos Professores, o CPERS, e mais alguns pequenos sindicatos que se juntaram — outros não se juntaram a essa campanha difamatória — de recuar e trabalhar a convergência.

O Rio Grande do Sul está crescendo. O Rio Grande do Sul está avançando, inovando. Que os CPERs também o façam e em paz, convergindo para melhorar o Rio Grande do Sul."

Um comentário:

Alessandro Reiffer disse...

Márcio, o que quis dizer não é que a governadora não foi desrespeitada, ela foi, mas quis dizer é que ela mereceu o desrespeito sofrido, pois agiu com um desrespeito ainda maior por parte dos professores. Eu geralmente concordo com teus pontos de vista, mas neste não. O CPERS não agiu em defesa de nenhum partido, agiu em defesa de si próprio, pois ninguém sofreu mais com os desrespeitos da governadora que os professores. Está certo que a campanha foi exagerada, mas isso só prova o quanto foi forte a agressão que os professores sofreram. E ninguém defende eles. Tu mesmo não escreveste um texto defendendo os professores como defendeste a Yeda, pelo menos não que eu tenha lido. Se o escreveu, desculpa.

Agora todo mundo só vê a agressão contra a Yeda, mas parecem fechar os olhos para o que ela fez e faz contra os professores. Como prova de que ela persegue os professores, ela cortou o ponto dos grevistas do magistério, mas não cortou os de grevistas de outras categorias. E o pior é que os professores tem que recuperar as aulas, os outros não recuperam nada. Eu te pergunto, amigo, é justo isso?

É como disse Bertold Brecht: "Todo mundo fala que são violentas as águas do rio, mas ninguém fala como são violentas as margens que as oprimem."

Abraços!