quinta-feira, 26 de fevereiro de 2009

Altivez

Confesso não saber usar as palavras,

e é incrível a forma como procuro ser mais.
Talvez eu não conheça meus limites
ou quem sabe eles não existam.
Sou sempre menos do que posso ser.
Tola e indecisa me escondo
dentro do meu Eu.
Rastejando em meu chão fecundo
de onde nascem minhas angústias.
Deitada, beirando a loucura,
pergunto-me: por que meu mundo é tão deprimente?
Por que me apego a ele com tanto gosto?
Desperdiço minha felicidade em busca de mais dor.
Entretanto o que me mata é o que me faz forte,
meu orgulho.

Um comentário:

Alessandro Reiffer disse...

Ótimo tu teres postado este poema da Micheli no teu blog, sem dúvida ela merece, o talento dela, para uma moça de 15 anos, é excepcional.