quarta-feira, 3 de dezembro de 2008

Secretária Mônica Leal é favorável a idéia do Auditório Multicultural Caio Fernando Abreu

Há poucos dias, fiz uma postagem falando a respeito da necessidade de Santiago despertar o seu potencial cultural e turístico viabilizando a construção de um auditório multicultural (leia a postagem clicando aqui), e considerando que este espaço fosse estruturado no prédio municipal que está ocioso ao lado da Câmara de Vereadores. Considerei ainda que este pudesse ser batizado com o nome do escritor Caio Fernando Abreu. Afinal, somos a cidade desse grande escritor reconhecido internacionalmente. E, assim como Cruz Alta se orgulha de ser a cidade de Érico Veríssimo, também nós devemos levantar essa bandeira, fazendo valer a herança cultural que temos e que estamos formando. Tive a satisfação de receber duas inteligentes manifestações a respeito dessa idéia, apoiando e incentivando: a secretária de Cultura Mônica Leal e o colega, amigo e escritor Froilan Oliveira. Confira:



"Todas as iniciativas que tenham como objetivo fomentar a cultura de nosso Estado são importantes. Construir um auditório, um local cultural principalmente de fácil acesso ao povo, como é o caso deste, é sempre bem-vindo.Como secretária de Estado da Cultura, penso que temos que democratizar urgente o acesso à cultura e, pelo que vejo e ouvi falar, está aí uma idéia que vem ao encontro desse objetivo."
Mônica Leal, secretário de Estado da Cultura





"Santiago necessita (entre muitas coisas) de um centro gastronômico e de um grande auditório. Iniciativa privada e pública, respectivamente. Lendo a postagem do Márcio Brasil, sobre a idéia de transformar a casa ao lado da Câmara de Vereadores num auditório multicultural, resolvi expressar minha opinião. A localização não poderia ser mais adequada. Não conheço o espaço que estaria disponível, interna e externamente, para estruturar outras dependências, como a própria sede do Departamento de Cultura (ou secretaria, desvinculada da Educação). A priori, a idéia me parece muito boa, que vem ao encontro de uma política do governo municipal, de incentivo à cultura. Se a crise que abala o mercado financeiro chegar (e está chegando), esses projetos ficam relegados ao campo dos sonhos".
Froilan Oliveira, escritor

Nenhum comentário: