terça-feira, 25 de novembro de 2008

Texto elogiado

Recebi um e-mail elogiando um texto que escrevi há anos. Até pouco tempo, achei que só eu gostava dele.

Leandro Iricon
"Olá Márcio, procurando escrever um ensaio sobre a solidão do mundo, buscando uma analogia com os quartos de hotel, encontrei seu texto sobre a solidão do quarto de hotel. Apesar de pequeno, sua narrativa é ótima, realmente meus parabéns pela sua forma de escrita e visão filosófica de vida.
Realmente seu texto ficou muito bom, encontrei pela primeira vez essa analogia entre o quarto de hotel e a solidão vendo um filme chamado 1408 (muito ruim por sinal) porém essa analogia ficou bem clara em minha memória desde esse filme, e quando resolvi encontrar algo sobre o tema encontrei seu texto brilhantemente escrito, algo como um texto weberianista pelos cuidados literários".
------
Outros comentários:
-----
HLuna
"Ó, gostei do texto, mas gostei muito mais do título. Rsssss".....
-----
Yaclara
"hehehehehe espero que os quartos de hotel continuen te dando ispiraçoes como estas bom findi para vc"
-----
Juli
"Linda tarde! Reflexivo texto. janelas tb servem para nos fazer sair de nós. Para arejar-nos a alma com a esperança. Bj poesia".

O texto

Pequena crônica escrita no verso de uma embalagem de chocolate, às 3 da manhã, no quarto de um hotel em São Francisco de Assis...(a caneta era uma kilômetrica horrível que, ora soltava tinta, ora falhava...)

Quartos de hotel são solitários. Neles, as TV's se tornam a sua melhor companhia. A janela é triste e traz a saudade. Nos convida para olhar através dela, nos atraindo com a promessa de ver algo que gostaríamos de observar:uma praça, a vida lá embaixo...Mas fuja das janelas. Essa promessa é uma farsa. As janelas te atraem para que possam servir de moldura à sua triste imagem. Como uma pintura aquarelada ou uma foto de Sebastião Salgado. As janelas querem que você seja visto por quem cruza pela rua e o observe só, em sua solidão. Tudo para que pensem que você só tem a TV para lhe confortar. Afinal, quartos de hotel são solitários.
--------
Meu comentário
Apesar do Leandro apontar "cuidados literários", o texto foi realmente escrito no verso de uma embalagem de chocolate, sem preocupação nenhuma. Eu estava em São Francisco, participando de um evento do meu amigo Paulo Afonso, do curso de modelos. Estava hospedado no Hotel Aguiar (aquele hotelzinho que tem na frente da praça e que, quando você entra, parece que penetrou numa máquina do tempo e vai parar em 1920). Era tarde da noite, eu não tinha papel, não tinha computador e queria escrever. Só o título foi inserido depois. Na minha opinião, o título é que é o must do negócio...

Nenhum comentário: