quinta-feira, 27 de março de 2008

Uma breve aventura

No corre-corre diário, nem sempre encontramos tempo para estar com tantos amigos que gostaríamos, afinal, cada qual tem os seus afazeres. Vivemos ocupados e escravos do relógio. O tempo é impiedoso e nós jogamos com ele, agendando compromissos para amanhã ou para daqui há um ano. Na última quarta-feira, ao meio-dia, marcamos um almoço entre amigos, a professora Lígia Rosso, o estudante César Braga e eu. Em meio a falta de tempo dos três, exigimos de cada um, uma pausa para conversar (seu lugar na mesa estava lá, Mayara). O César tem uma frase que eu acho genial. Ele diz que “a vida é uma grande aventura, da qual nenhum de nós sairá vivo”. Já a Lígia costuma dizer que a gente perde tanto tempo pensando no futuro ou lembrando do passado, que deixamos de lado o que mais importa: o presente. Afinal, é só o que temos, pois o passado se foi e o futuro é totalmente incerto.

Mas, como diz o César, existe uma certeza. Nenhum de nós sairá vivo no final dessa aventura. Uma outra certeza é a de que todos envelhecemos. A beleza física é filha do tempo e se esvai a cada momento. Ficam as marcas e as lembranças. Sendo assim, nada mais inteligente do que a sociedade atual repensar a forma como trata os mais velhos. Eles são seres humanos de grande valor e experiência, portanto, merecem o respeito devido. Por que a sociedade insiste em ignorar o idoso, renegando-lhe o papel de sábio patriarcal de outrora? É certo que o jovem que hoje desrespeita alguém mais velho, pode ser o desrespeitado de amanhã. Assim, nada mais inteligente do que exigir uma vida digna aos que nos antecederam. Afinal, nós vamos chegar lá um dia. E dessa aventura...

3 comentários:

euooooo disse...

oi ^___^
Dos blogs de santiago eu comecei a excluir algumas coisas. Vou mudar tudo, e preciso dele zerado! Só que eu tou fazendo ao poucos.

=*

Amy Lee disse...

Lindo seu blog xD

























kkkkkkkkk

me visita!

alice disse...

Obrigada ^_____^


;***

Atualiza aqui!!!