quarta-feira, 30 de janeiro de 2008

É necessário doçura...


Quanto ganha um gerente do Banrisul? Foi a pergunta que fiz para um amigo. “Ah, deve ser perto de uns R$ 5 mil”, ele supôs. Acredito que seu raciocínio pode estar certo. Certamente, tal valor (ou mais) é merecido em face das atribuições de comandar uma agência. Não sei quanto ganha o gerente do Banrisul, mas sei quanto a dona Tânia Freitas (ou Tia Tânia, como eu costumo chamá-la) ganha a cada doce que vende trabalhando em frente a agência. Negrinhos, branquinhos ou cajuzinhos. R$ 0,50 centavos cada um. Mas seu lucro é de 20%, já que ela revende o produto. Nos dias quentes, Tia Tânia (foto acima) se abriga debaixo de um guarda-sol e afugenta o calor com uma garrafinha de água gelada. Nos dias de chuva volta para casa com os pés cansados e molhados.

Não há uma sala climatizada para ela, ao contrário do gerente do Banrisul. Para ela, não há como disfarçar o calor ou o frio, a não ser ficando na sombra ou se agasalhando. Ela é uma digna trabalhadora, ajuda no sustento da família e ganha a vida com muito suor. No entanto, soube que o novo gerente do Banrisul, o senhor Carlos Fernando Matje, não quer mais que dona Tânia venda doces em frente ao banco. Para ele, é um caso de ameaça à segurança do banco e, quem sabe, à própria segurança Nacional. “Se antes era tolerado, não sei. Não podemos permitir tal situação. Além disso, tememos pela segurança, já que todo tipo de pessoa é atraída”, explicou. Gerente novo, quer mostrar serviço. Mas bem que poderia começar consertando os três ou quatro caixas eletrônicos que durante vários dias provocaram amargas filas, do que se invocando com uma humilde trabalhadora como dona Tânia. O gerente Fernando, diferente do anterior, Sérgio Sulzbach, nunca comprou um dos doces dela. Se provasse, perceberia que a vida pode ser mais doce se tivermos mais humanidade em relação ao próximo.

Um comentário:

tainã disse...

"Além disso, tememos pela segurança, já que todo tipo de pessoa é atraída". Quanta prepotência =X AFE!